Marilena Chauí: uma farsante histórica

Marilena Chauí é uma farsante. Uma farsa histérica. A auto-denominada “intelectual” é, na verdade, uma mentirosa, hipócrita.

No mínimo, se não é movida pela má-fé, o é pela ignorância. Ou ambos.
Segundo o site do PT (aqui), ela assinou, em parceria com outros mentirosos, um manifesto intitulado “Recuperar o PT para avançar na transformação do país”. Vou reproduzir apenas alguns trechos:

Para cumprir esse papel, no entanto, o PT precisa enfrentar com coragem e superar a grave crise política que se introduziu no partido nos últimos anos, culminando com o violento abalo constatado em torno de seus princípios e compromissos éticos em 2005 e 2006. Constitui gravíssimo erro político avaliar essa crise como superficial e enfrentá-la com maquiagem pautada pelo continuísmo.
A crise conjuga duas vertentes que convém distinguir. De um lado, a direita foi bem sucedida em incluir as acusações contra o PT em uma narrativa farsesca, segundo a qual episódios desse tipo nunca teriam ocorrido na história do Brasil. Esqueceram a compra de votos para aprovar a reeleição e esqueceram que o valerioduto foi montado pelo PSDB de Minas Gerais. De outro lado, não resta dúvida de que segmentos do PT terminaram se enredando em práticas que fizeram o rosto do nosso partido ficar parecido com o dos outros partidos brasileiros.
Responder com firmeza a essas questões, sem cair no jogo da direita, é o desafio principal. Mostrar que a direita deseja destruir o PT para retomar o caminho do neoliberalismo – que agravará a marginalização e a violência que começamos a combater no governo Lula. Dizer alto e bom som que o povo brasileiro e, sobretudo, os seus setores mais excluídos, contam com o PT e não podem prescindir dele, para mudar o Brasil.
O PT necessário, no entanto, é aquele da conduta ética, republicana, democrática e socialista que, por tantos anos, mobilizou e emocionou milhares de cidadãos brasileiros. As campanhas eleitorais movidas a dinheiro, a mercantilização do voto, o clientelismo e o abuso de poder devem ser combatidos dentro do partido, para que ele volte a ter, na prática, a cultura política que nos foi legada por figuras como Mário Pedrosa, Florestan Fernandes, Sérgio Buarque de Holanda, Perseu Abramo, Apolônio da Carvalho e tantos outros.

Os trechos em negrito e itálico são grifo meu.

O primeiro ponto a comentar é o seguinte: Marilena Chauí e outros auto-denominados “intelectuais petistas” sempre afirmaram que o mensalão e outras episódios de corrupção indiscutível jamais existiram: teriam sido criados pela “mídia golpista”, com o intuito de sujar a honra imaculada do PT.

Mentira. O mensalão existiu (não foi “inventado” pelo PT, como a recente denúncia do Procurador Geral da República demonstra, ao abrir inquérito contra o “valerioduto mineiro” ou “valerioduto tucano”, capitaneado pelo Marcos Valério e pelo senador Eduardo Azeredo, com participação relevante do Ministro Mares Guia), o que significa que as pessoas que agora assinam este manifesto estavam mentindo.

Se mentiram durante mais de 2 anos, por que agora resolveram falar a verdade ? Se mentiram durante 2 anos, culpando a “mídia golpista” pelas acusações (alegadamente falsas), por que deveriam ser levadas a sério agora ?

O que teria mudado ?

Marilena Chauí afirmou que o acidente (?) com o Airbus da TAM (que matou cerca de 200 pessoas em São Paulo) foi mais um exemplo da “mídia golpista” tentando colocar a culpa no PT. O conivente Paulo Henrique Amorin (que, por alguma razão ainda pouco explicada, abandonou o jornalismo sério e está seguindo os passos de outro vendido, Mino Carta) fez propaganda destas declarações mentirosas, estapafúrdias e ridículas da tresloucada e farsante “filósofa de merda” aqui. Já comentei este ponto em particular (aqui e aqui). Então, vamos seguir com o enterro !

Marilena Chauí e os demais “pseudo-auto-denominados intelectuais petistas” é que mentiram. Eles são uma farsa.

Até porque “intelectual petista” é a antítese do paradoxo: se uma pessoa é intelectual (segundo o Dicionário Houaiss: que ou aquele que vive predominantemente do intelecto, dedicando-se a atividades que requerem um emprego intelectual considerável; que ou aquele que domina um campo de conhecimento intelectual ou que tem muita cultura geral; erudito, pensador, sábio), por exclusão não pode ser PTista. Basta pensar um pouquinho para desprezar e repudiar a montanha de mentiras que sempre sustentaram o PT.

Assim, os tais “intelectuais petistas” são mentirosos, coniventes, submissos, burros demais ou hipócritas. Ou, talvez, uma combinação de tudo isso. Será que entre os nomes listados no tal “manifesto”, nenhum deles havia se dado conta dos fatos ? Será que todos eles andaram “desinformados” como Marilena Chauí ? Ou será que todos eles estavam esperando a poeira baixar para voltar a mentir deslavadamente em público ?

Alguns dos nomes que constam no tal manifesto são: André Singer, Hamilton Pereira, Maria da Conceição Tavares, Maria Victória Benevides, Mário Sérgio Cortella, Paul Singer, Renato Janine Ribeiro, Saturnino Braga e Sérgio Mamberti.

Será que todos eles mentiram de forma consciente ou são ingênuos a ponto de acreditar na teoria conspiratória da “mídia golpista” ?

Neste sentido, a coluna de Clóvis Rossi (Folha de São Paulo, 24/11/2007, na íntegra aqui) está impecável: Pena que só agora os intelectuais do partido (38 deles) descubram a pólvora em manifesto que diz: “O PT precisa enfrentar com coragem e superar a grave crise política que se introduziu no partido nos últimos anos”. “Grave crise política” é uma expressão débil para o caso. Mais honesto seria dizer, como o fez frei Betto, em livro, que se tratou de um “tumor fétido de alianças nefastas”. O manifesto, de resto, é a confissão de uma grosseira fraude.
Pelo menos uma das signatárias, a filósofa Marilena Chaui, especializou-se em dizer que o “tumor fétido” não passava de uma “conspiração” da mídia. Ora, se havia uma “grave crise política”, não houve conspiração, porque qualquer jornal que se preze noticia “graves crises políticas”, por definição. “Tumores fétidos” ainda mais. A conspiração, como cansei de dizer neste espaço, foi, portanto, dos fatos contra o PT, como agora confessam implicitamente os distraídos intelectuais petistas.

O segundo ponto que merece comentários: o texto (com grifo meu) remete a uma parcela do PT que teria “se enredando em práticas que fizeram o rosto do nosso partido ficar parecido com o dos outros partidos brasileiros”. Uma confissão de culpa pela corrupção, peculato e outros crimes que serão analisados pelo STF oportunamente (espero que logo!).

Mas, a despeito de tudo isso, o texto ainda aponta o dedo para a “direita” o “neo-liberalismo”, a “mídia”…..

Será que esse bando de “intelectuais” não consegue enxergar meio palmo à frente do nariz ?

Será que nenhum dos “intelectuais petistas” consegue parar de ruminar sua graminha e enxergar a realidade ?

Anúncios

Peggy Sue: mais uma vez, o passado assombra o presente

Para quem ainda não se deu conta dos motivos que me levam a acreditar piamente que o PT é, de longe, o pior dos partidos políticos brasileiros (e olha que há muitos ruins!), eis aqui a melhor explicação possível:

 

O então candidato faz questão de falar que deseja ser cobrado, que tem “compromissos” assumidos publicamente, tudo devidamente escrito e registrado……

Interessante, não ?!

A carga tributária que subiu nos 8 anos de FHC CONTINUOU SUBINDO nos 5 anos de Lulla.

A reforma tributária prometida NÃO saiu – e ainda estamos diante da “briga” por conta da CPMF.

A segurança vai de mal a pior.

No quesito corrupção, nem vou falar do mensalão, do Waldomiro Diniz, da Gamecorp (empresa do filho do Lulla, beneficiada com mais de R$ 5 milhões vindos da Telemar), do Palocci, do Celso Daniel, do Toninho de Campinas…………….

Em suma, tudo segue piorando.E o povo ignorante, aplaudindo !!!!!! 

EMBRAER: 2 pesos e 2 medidas…

Interessante o vídeo abaixo:

Destaco que por volta de 04m:30s o então candidato à reeleição Lulla cita a Embraer como grande exemplo do suposto superávit comercial do Brasil com a China, devido à venda de jatos da Embraer ao país asiático…..

Só para lembrar: o PT e Lulla sempre criticaram a privatização. A Embraer é um dos exemplos do processo bem-sucedido de privatização que sofreu tantas críticas do PT, do MST, da CUT, e de outras organizações criminosas e semelhantes. Tratei do caso da Embraer aqui.

Então, só para deixar claro: a privatização é boa ou ruim ?

Ou será que isso é um conceito que muda conforme a necessidade do PT e do Lulla ?!

Finalmente, em homenagem aos dólares da cueca do PT:

Por que não se cala ?

Estou ansioso para que o Rei Juan faça o mesmo com o Rei Lulla:

Impagável !!!!!!!!!!! Aproveitei essa com alguma distância, de férias…………

Mas a “explicação” provida pela Mulla, então, consegue ser ainda mais ridícula:

Margareth Thatcher ?! Fala sério…….!!!! “O que importa não é o regime” ????

Por isso mesmo não importa se trata-se de uma democracia, uma ditadura,……. Sobre este ponto, vale a pena ler as explicações (bastante didáticas) da jornalista e historiadora Lúcia Hippolito, aqui. Pacientemente, ela demonstra o quão imbecis são as declarações de Rei Mulla (aliás, um fato quase inédito!).

Só este estropício mesmo para falar tanta merda…….

Selo comemorativo

Esta vai para descontrair (já que conseguirei tirar uma semana de férias):

Lula queria um selo com sua foto para marcar o aniversário de seu governo.
Duda Mendonça achou boa a idéia e executou o projeto.
Lula aprovou e mandou a ECT fazer 10 milhões de selos.
Quando o selo foi para as ruas, Lula ficou radiante!
Mas, em poucos dias, ficou furioso ao ouvir reclamações de que o selo não aderia aos envelopes.
Imediatamente, convocou os responsáveis pela confecção e emissão do selo com sua imagem, ordenando que investigassem rigorosamente o assunto.
Comissões pra lá, grupos,subgrupos e equipes aos montes pesquisaram as agências dos Correios de todo o país, ouviram usuários, balconistas etc…e, finalmente, desvendaram o que estava ocorrendo.

O relatório, com mais de mil páginas, entregue um mês depois, dizia, na sua conclusão:
“Não há nada de errado com a qualidade dos selos. O problema é que o povo está cuspindo do lado errado.”

Interessante como numa única piada conseguiu-se mesclar Duda Mendonça, Correios (“berço” da descoberta sobre o mensalão), a mania lullista de criar comissões e grupos de inúteis (conselhos e afins), além, é claro, do brilhantismo que já virou marca registrada de Rei Mulla.

Aliás, sobre o brilhantismo de Rei Mulla, a coluna de Clóvis Rossi na Folha de São Paulo do último sábado (10/11/2007, na íntegra aqui para assinantes) é simplesmente impecável:

Estamos em 21 de agosto de 2007, em São José dos Campos, mais exatamente na sede da Embraer. Ao lado de Lula, estão os comandantes da própria Embraer, como é óbvio, mas também os dirigentes de uma certa BRA, companhia de aviação que, então, pouco freqüentava o noticiário. Lula discursa para comemorar “a assinatura de um contrato entre a empresa BRA e a Embraer para a compra de 20 jatos Embraer 195, no valor de US$ 730 milhões”. O presidente ousa bancar a pitonisa para dizer o seguinte, palavra por palavra: “Eu tenho certeza de que, nos próximos anos, a BRA vai colher com o lucro e com o crescimento do número de clientes pela aposta certa que está fazendo de acreditar cada vez mais na aviação regional”. Não satisfeito, já no fim do discurso, Lula arrisca-se a mais uma previsão ufanista, bastante típica: “A BRA está dando uma demonstração de que não é apenas o coração que é brasileiro, ou a cabeça que é brasileira, ela é uma empresa que acredita no crescimento da oferta de passageiros para cumprir a demanda que eles vão oferecer”.
Será que não havia, no entorno presidencial, alguma alma caridosa para avisá-lo de que a BRA, já então, não era uma Brastemp?
Claro que o presidente sempre pode refugiar-se em uma de suas frases preferidas, já bastante folclorizada, a famosa “eu não sabia”. Até admito que o presidente não seja obrigado a saber de tudo, mas seus assessores deveriam estar suficientemente espertos para evitar que se vinculasse tão gostosamente a um iminente fracasso. Mas o pior, o mais atordoante, é não saber quantas outras “certezas” do presidente virarão falências pouco tempo depois. 

Desnecessário comentar.

Convicção e casuísmo

Vou transcrever um artigo sobre a CPMF, produzido em Maio de 2002. Depois comento:

O PT, de longa data, tem manifestado posição contrária à cobrança da CPMF, por considerá-la um tributo de má qualidade, altamente inibidor da eficiência e da competitividade interna e externa da economia. Além disso, por ser cumulativo, atingindo uma gama enorme de operações que englobam o subconjunto renda, produção e circulação, sem diferenciar gastos essenciais de gastos supérfluos, a CPMF compromete os requisitos de progressividade e seletividade tão caros ao sistema tributário que sempre defendemos. Esse posicionamento de nosso partido foi corroborado nos esforços que realizamos com vistas à aprovação de uma reforma tributária, que propiciasse uma distribuição mais justa e equitativa da carga tributária entre os contribuintes e que fosse capaz de eliminar os entraves à expansão da atividade produtiva nacional.

Sempre nos pareceu inaceitável a existência, em nosso regime fiscal, de um tributo de caráter provisório, que se perenizava, por meio da aprovação de sucessivas prorrogações em sua vigência. Por outro lado, este aspecto tornava-se ainda mais condenável, num contexto em que o Congresso Nacional dedicava enormes esforços na formulação e aprovação de uma reforma tributária, ao mesmo tempo em que o governo federal se empenhava em boicotá-la. Todos aqueles que participaram do processo de discussão da reforma tributária na Câmara dos Deputados sabem que o principal obstáculo à consecução da reforma partiu do próprio governo federal, com suas atitudes dúbias, marcadas, em alguns momentos, pela mais completa indiferença e, em outras, pela sinalização de propostas salvadoras, apresentadas à Nação como um show de pirotecnia, mas que jamais chegaram a ser formalizadas como emenda ao Congresso Nacional. Agindo assim, o governo buscava satisfazer parcela significativa da opinião pública que ansiava pela reforma, e camuflava suas reais intenções de manter os recordes de arrecadação baseados em tributos de péssima qualidade.

Há um amplo consenso – e até mesmo, o governo federal reconhece isso – de que a reforma de nosso sistema de impostos e contribuições é inevitável. O esforço tributário intenso exigido da sociedade brasileira por tão longo tempo, tende a criar tensões e revolta nos contribuintes e a história está repleta de exemplos de reações contra a sanha arrecadatória do Estado. A única forma de atenuar a insatisfação geral é assegurar a existência de um sistema tributário de boa qualidade, onde a carga tributária seja bem distribuída e com finalidades aceitas pela sociedade. E não há dúvida de que um dos maiores desafios que aguardam o novo Presidente da República será o de patrocinar um amplo entendimento nacional em prol da consecução de uma reforma factível.

Por isso, sempre manifestamos uma visão crítica contra a CPMF e contra outros tributos que, pelas suas características de cumulatividade e de regressividade, desencorajam o esforço de produção e oneram os setores sociais de menores rendas. Contudo, aspiramos que essa e outras questões sejam tratadas com a retomada processo de reforma tributária, que se constitui no único fórum adequado e legítimo para formular o desenho de um sistema tributário mais justo, racional e coerente com os requisitos de eficiência e competitividade de nossa economia.

Curioso, não ?!

Este documento foi redigido pela Assessoria Técnica do PT na Câmara dos Deputados, em Maio de 2002. A íntegra está aqui.

Atualmente, vemos o PT promovendo amplos esforços para aprovar a CONTINUIDADE da CPMF (veja mais aqui), mesmo tendo o próprio PT chamado este imposto de “um tributo de má qualidade, altamente inibidor da eficiência e da competitividade interna e externa da economia” (este trecho está logo no início do texto transcrito acima).

Isso é a postura de um partido sério ???

Cadê a convicção ?

Cedeu lugar ao casuísmo…..

IncomPTência emPACada

A incomPTência dessa corja de boçais do PT só não é maior por falta de tempo. Mas o terceiro mandato do Rei Lulla já está a caminho – portanto, isso deve mudar.

Neste meio tempo, pelo menos, podemos observar que a Ministra Dilma Rousseff (cotada para concorrer à Presidência depois que Rei Lulla se cansar de viajar pelo mundo, beber whisky importado e falar bobagens em rede nacional) não anda muito atenta ao tal do PAC: Faltando cerca de dois meses para acabar o ano, o ritmo de execução do carro-chefe do segundo mandato do governo Lula, que promete R$ 503,9 bilhões em investimentos até 2010, ainda está longe do ideal. Dos R$ 15,2 bilhões autorizados para serem gastos este ano com as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), apenas R$ 4,4 bilhões foram efetivamente aplicados – incluindo o pagamento de ações iniciadas no ano passado – o que equivale a uma execução inferior a 30%.

As informações são do site Contas Abertas. A matéria, na íntegra, está aqui.

Enquanto o PAC segue emPACado, a PTzada continua falando bobagem…… (qual a novidade disso ???)

Esta nota foi publicada no site do próprio PT: O Brasil reduziu a miséria pela metade nos últimos cinco anos graças a impostos como a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). A afirmação é do presidente interino do Senado, Tião Viana (PT-AC), em entrevista hoje (7) à Rádio Nacional. A íntegra da nota está aqui.

O que me chamou a atenção nessa “nota” é que a CPMF só começou a reduzir a miséria nos últimos 5 anos ??????? Quando Rei Lulla e sua corja de boçais criticavam a CPMF (já tratei disso, aqui) ela não tinha este “efeito milagroso” ?????

Mas não é só isso…..claro !

Este texto trata da Economia brasileira. Vou primeiro transcrevê-lo parcialmente, depois explico e comento:

A vulnerabilidade externa da nossa economia pode ser constatada a partir da evolução de alguns indicadores: o déficit em conta corrente quase nulo de 1993 aumentou para algo entre 4% e 5% do PIB nos últimos anos, a dívida externa total subiu de 22,6% do PIB em 1995 para 39,7% do PIB em 2000 e a taxa de câmbio esteve sempre sujeita a pressões especulativas e a variações bruscas.
No plano das contas públicas o resultado é igualmente desastroso. A taxa de juros, além da grande oscilação nos períodos de maior incerteza, mantém-se extremamente elevada em função da fragilidade da situação externa e do contínuo aumento da dívida do setor público, em grande parte puxado pela própria taxa de juros e pela variação cambial. Desde 1999, a partir do acordo com o FMI (do final de 1998), têm sido gerados enormes superávits fiscais (com sacrifício de gastos sociais e de investimentos), utilizados como contrapeso aos equívocos das políticas cambial e monetária.

O sistema tributário, por sua vez, assenta-se em base restrita e visa unicamente à arrecadação a qualquer custo, empregando-se, principalmente, os tributos cumulativos, prejudiciais à atividade econômica e à competitividade externa. A regressividade é outra marca do sistema, com ênfase nos impostos indiretos e pouca diferenciação por faixa de renda e de riqueza nos impostos diretos  agravando a concentração de renda. De forma geral, portanto, o ambiente criado pela política econômica seguida nos últimos anos é desfavorável à realização de investimentos produtivos.

Por incrível que pareça, este texto não foi redigido por tucanos, visando a criticar a política econômica adotada no (des)governo PTista. Este texto foi produzido pela assessoria técnica do PT, em Fevereiro de 2003 (íntegra disponível aqui). Foi, portanto, 2 meses após o término do segundo mandato do FHC.

O objetivo, claro, era criticar a política econômica do período FHC.

Pena que lido hoje, em 2007, tudo o que foi criticado pelo PT no mandato FHC acabou sendo praticado pelo PT, no período Lulla.

QUANDO É QUE A POPULAÇÃO BRASILEIRA VAI PARAR DE ENGOLIR AS MERDAS DO PT E DE SEUS ASSECLAS, HEIN ?!