Socialismo capitalista

E não é que na prática o PT inventou o “socialismo capitalista” ?!

Afinal, essa organização criminosa, essa agremiação de pelegos e mentecaPTos sempre pregou o “Socialismo Petista” – mas, na prática, está mais do que inserido no Capitalismo.

Não é uma reclamação – afinal, se Rei Mulla tivesse cumprido 0,5% de suas promessas históricas, se tivesse tentado fazer o que o PT sempre falou, já estaríamos todos, sem exceção, falidos.

Trata-se, pois, de uma constatação.

Que não venham depois esses acéfalos cretinos dizerem que há diferenças sólidas entre Lulla e FHC; que o PT implantou um programa de governo mais voltado ao social, mais justo. TUDO BOBAGEM.

Lulla chamou um tucano para presidir o Banco Central, e colocou nos postos-chave da Economia pessoas que não teriam problemas em seguir à risca a mesma política de FHC.

Senão, vejamos: ao ler a nota do Banco Central sobre a política fiscal (na íntegra, aqui) divulgada ontem, qualquer pessoa com pelo menos 2 neurônios funcionando acharia que trata-se do governo FHC – o qual, segundo os PTralhas, “vendeu-se aos interesses capitalistas e imperialistas” (aquele discurso embolorado, caduco e obsoleto do esquerdismo hipócrita e histérico da década de 1960/1970). Alguns trechos:

O superávit primário do setor público não financeiro alcançou R$18,7 bilhões em janeiro, o melhor resultado para o mês desde o início da série, em 1991. Por segmentos, registraram superávits o Governo Central, de R$16,7 bilhões, e os governos regionais, de R$3,5 bilhões. As empresas estatais, por outro lado, registraram déficit de R$1,5 bilhão.

Nos últimos doze meses até janeiro, o superávit acumulado atingiu R$106,8 bilhões (4,15% do PIB), elevando-se em 0,17 p.p. do PIB em relação ao valor registrado em dezembro de 2007, devido, basicamente, ao desempenho registrado no âmbito do Governo Central.

Os juros nominais, apropriados pelo critério de competência, totalizaram R$13,1 bilhões em janeiro, comparativamente a R$12,2 bilhões em dezembro. O maior número de dias úteis em janeiro e o efeito da apreciação cambial sobre os ativos atrelados ao dólar contribuíram para a elevação dos juros totais apropriados no mês.

No acumulado em doze meses até janeiro, os juros nominais alcançaram R$158,7 bilhões (6,17% do PIB), comparativamente a R$159,5 bilhões (6,25% do PIB) em dezembro, mantendo-se a trajetória de queda registrada nos meses anteriores.

O resultado nominal, que inclui o resultado primário e os juros nominais apropriados, alcançou superávit de R$5,5 bilhões em janeiro. No acumulado em doze meses, o resultado nominal foi deficitário em 2,02% do PIB, o menor déficit nessa base de comparação desde o início da série, em 1991. Essa queda foi influenciada tanto pela elevação do superávit primário quanto pela menor incorporação de juros.

Portanto, aos trogloditas pseudo-intelectuais do PT que tentam convencer aos incautos de que há enormes diferenças entre FHC e Lulla, fica a pergunta: cadê as diferenças ?

Já tratei deste ponto anteriormente (aqui), mas infelizmente a realidade mostra que os PTralhas apenas usam de uma retórica falsa, ignóbil e mentirosa para tentar convencer de que existem tais diferenças….. Elas não existem !

Ainda segundo dados do próprio Banco Central (aqui),

A taxa média de juros relativa às operações de crédito referencial situou-se em 37,3%, registrando aumento mensal de 3,5 p.p. e queda de 2,6 p.p. em doze meses. No mesmo sentido, o spread bancário apresentou expansão de 3,4 p.p. no mês, atingindo 25,7 p.p., com decréscimo de 1,7 p.p. em comparação a janeiro de 2007.

Nesse contexto, o custo médio dos empréstimos destinados a pessoas físicas alcançou 48,8%, com elevação de 4,9 p.p. no mês. Nas modalidades de crédito pessoal e cheque especial verificaram-se aumentos de 7,3 p.p. e 6,9 p.p., enquanto que os financiamentos para aquisição de veículos tiveram seu custo elevado em 2,4 p.p. A taxa média para pessoas jurídicas registrou alta de 1,8 p.p. no mês, atingindo 24,7%, resultado decorrente, em grande parte, do incremento de 2,6 p.p. no custo das operações pactuadas com encargos prefixados.

Os PTralhas não adoram espalhar pela internet notícias falsas sobre a questão dos juros ?! Eles adoram dizer que os juros eram astronômicos durante o mandato FHC, e que caíram vertiginosamente com Lulla. Então essa é uma notícia auspiciosa:

Os juros cobrados nos empréstimos bancários tiveram, em janeiro, a maior alta em quase sete anos.Segundo levantamento feito pelo Banco Central, a taxa média dos financiamentos chegou a 37,3% ao ano, aumento de 3,5 pontos percentuais em relação a dezembro.
Desde julho de 2001 o custo do crédito não subia nessa velocidade de um mês para outro.
A alta foi mais forte nos financiamentos para pessoas físicas. Nesse segmento, a taxa média passou de 43,9% ao ano para 48,8%.No crédito pessoal, uma das modalidades de empréstimo mais populares, os juros subiram de 59,1% ao ano para 67,3%.

Mesmo nos empréstimos com desconto em folha de pagamento, que costumam ser a opção mais barata de financiamento para pessoas físicas, os juros subiram: passaram de 28,1% ao ano para 29,3%.
O chefe do Departamento Econômico do BC, Altamir Lopes, credita esse movimento ao aumento nas alíquotas do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) e da CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) das instituições financeiras, o que teria pressionado o custo dos empréstimos.
O aumento nos tributos fez parte de conjunto de medidas adotadas pelo governo no mês passado para compensar o fim da CPMF.

O texto é da Folha de São Paulo de 27/02/2008 (na íntegra, aqui), mas os dados são do Banco Central (aquele presidido por um tucano).

Complementarmente, cabe registrar: quando algum PTralha mal-intencionado (com o perdão do pleonasmo) falar sobre a dívida pública, é preciso indicar-lhes este texto aqui:

O BC adotou em janeiro nova metodologia para o cálculo da chamada dívida bruta do governo geral. A dívida bruta é um dos principais indicadores fiscais acompanhados pelas agências internacionais de classificação de risco. A partir de agora, a dívida bruta deixa de incluir os títulos públicos emitidos pelo Tesouro que estão na carteira do BC. O critério só fazia sentido, explicou Lopes, quando o BC emitia títulos para fazer política monetária – o que foi proibido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). De outro lado, a dívida bruta passa a incluir as operações compromissadas do governo.
A mudança, segundo o BC, foi para aproximar as estatísticas da dívida bruta dos conceitos usados nos demais indicadores fiscais.
Em termos práticos, a nova metodologia fez com que a dívida bruta fechasse em 58,2% do PIB em janeiro, enquanto que na metodologia antiga esse percentual seria de 62,1% do PIB.

Os PTralhas que ganham o “Bolsa-web” para espalhar mentiras travestidas de notícias (como o asqueroso Paulo Henrique Amorim, por exemplo, além de outros menos letrados, como a Lillith) precisariam, então, deixar claro qual a metodologia que usaram para chegar nos números que usam quando escrevem suas mentiras burras……

Como se não bastasse, esse pessoal que fez escândalo por conta do fim da cobrança da CPMF agora deve estar andando com um saco de papel na cabeça (pessoalmente, gostaria que fosse de plástico, para asfixiá-los rapidamente), para esconder a vergonha:

No primeiro mês sem a cobrança da extinta CPMF, a arrecadação do governo federal aumentou em níveis muito superiores aos da inflação e do crescimento da economia.
Recorde para um mês de janeiro, a receita foi de R$ 62,6 bilhões, uma expansão de 20% acima da inflação em relação ao mesmo período do ano passado -ou de 18,3%, se descontada a arrecadação residual da extinta contribuição sobre movimentação financeira.
Em valores absolutos, o caixa do governo foi reforçado, num único mês, em R$ 9,6 bilhões, excluindo da conta os R$ 875 milhões em recolhimentos remanescentes da CPMF. É praticamente toda a arrecadação adicional estimada pelo governo para todo o ano com a melhora da economia. A perda estimada com o fim da CPMF é de R$ 39,3 bilhões no ano.

Para maiores detalhes sobre isso, veja aqui. Outras leituras, para deixar os PTralhas se roendo de raiva, estão aqui, aqui e aqui.

Este é o “Socialismo Capitalista” inventado pelo PT.
É socialismo na propaganda política e nas tentativas de enganar os mais tapadinhos para que eles continuem elegendo essa cambada.
Mas é capitalismo quando se trata de encher os cofres do PT com recursos que dependem de bons resultados financeiros do governo…..

A sina do P

Diante de mais uma CPI, “desenterrei” esta do arquivo de e-mails…….

Desconfie sempre das coisas que começam com a letra P
Por exemplo:

Promessa
Problema
Pedido
Padre
Puta
Promissória
Presidente
Papa
Polícia
Político
PEIDO
Pizza.. Pizza??
– É, ainda mais quando é  Preparada no Planalto e servida Por Parlamentares ao Pobre e Patético Povo brasileiro!
–   Puta que Pariu eu ainda não havia Pensado nisso! Que Perigo!

Putz!

Pois é…

PT   Saudações !

Dívida externa

Seguindo a idéia de que “certas coisas não têm preço”, ver o PT e seu líder pseudo-operário comemorando o suposto “pagamento potencial” da dívida externa brasileira leva a uma leitura que se faz imprescindível: AQUI.

Os PTralhas que ganham o “Bolsa-web” para fazer campanhas massificadas já devem ter iniciado sua boataria falsa, baseada no Manual previamente apresentado aqui. Mas esperar que não o façam seria o mesmo que torcer para que uma inspiração divina fosse capaz de abrir-lhes os olhos e emprestar-lhes alguns neurônios…..

PETROBRÁS furtada

A Petrobras já foi roubada (aqui).

Agora, a Petrobras foi furtada:  a Petrobras confirmou nesta quarta-feira (14/02), por meio de seu site, que equipamentos que continham “informações importantes para a companhia” foram furtados de instalações de uma empresa prestadora de serviços especializados.  A companhia afirmou que possui cópia de todas as informações que estavam armazenadas nos equipamentos furtados (íntegra da matéria, aqui).

Para ler mais, algumas fontes interessantes estão aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

Em vista de tudo isso, o Painel do Leitor da Folha de São Paulo de 16/02 traz um posicionamento de um leitor, que reproduzo abaixo:

“Por que dois computadores portáteis, com informações secretas da Petrobras sobre campos de petróleo da bacia de Santos, estavam viajando dentro de um contêiner, numa longa viagem de navio entre Santos e Macaé? Não seria mais lógico algum executivo da Petrobras, com a devida escolta de seguranças, transportar pessoalmente informações tão confidenciais?
A investigação principal a ser feita é por que, e quem, determinou que informações tão valiosas fossem transportadas dentro de um simples contêiner?”
WILSON GORDON PARKER (Nova Friburgo, RJ)

Eu não poderia concordar mais com o Wilson: será que uma empresa do porte da Petrobras não tem nenhuma forma mais segura de transportar dados sigilosos ???

Será que a escolha de transportar computadores com dados sigilosos num contâiner é parte da estratégia administrativa que os sindicalistas PTistas que locupletam a Petrobras consideram eficaz ???

Acabaram as férias

Acabaram as férias, e o tempo para escrever aqui no blog vai ficando cada vez mais escasso.

Ao contrário dos PTistas (por definição, desocupados) que ganham Bolsa-Orkut para espalhar bobagens pela internet, quem não ganha cartão de crédito corporativo do governo PTralha precisa trabalhar….

E, por falar em cartão de crédito, está sendo divertido observar os últimos acontecimentos. Governo (sic) e oposição (sic-sic) brigando por conta das CPIs, gente falando besteira com base em informações falsas etc….

Vi PTralhas elogiando a Controladoria Geral da União, e atribuindo sua criação ao apreço de Rei Mulla pela transparência – uma bobagem deslavada. A CGU foi criada em 2001, por FHC – e chamava-se, então, Corregedoria Geral da União. Assim como os cartões de crédito corporativos do governo federal, também cria de FHC, os PTralhas tecem seus comentários burros sobre mentiras, e tentam, ao repeti-las intensamente, torná-las verdades.

Sobre a questão dos cartões corporativos, assim como todos os gastos de TODOS os governos e esferas (federal, estaduais, municipais, judiciário, legislativo), o Brasil não tem é TRANSPARÊNCIA.

Falta controle. Coisa básica.

Sempre faltou, e os PTralhas, desde 2003, têm se aproveitado desta falta de controle para comprar tapiocas, alugar carros etc… Antes, criticavam FHC, mas agora fazem igualzinho.

A cobertura jornalística sobre o caso dos cartões produziu um besteirol imenso (como a comparação entre o Mensalão e o caso dos cartões), mas também serviu para trazer o assunto “gastos do governo” à tona. Ótimo !

O governo brasileiro não tem o costume de limitar seus gastos, pois é fácil criar decretos e outros subterfúgios para cobrir extravagâncias dos políticos ora ocupantes de cargos (Presidente, Ministros, Governadores, Deputados etc).

Engraçado mesmo é ver o PT chafurdando na lama das gastanças que eles, quando eram oposição, tanto criticavam.

Sugiro uma leitura para esclarecer melhor esta questão: aqui. Uma entrevista brilhante com o diretor do curso de Economia da FGV/SP, repleta de informações que os PTralhas tanto precisam (pena que eles nem se interessam por obtê-las). Alguns trechos MUITO interessantes:

Cartão corporativo é bom, seja numa empresa ou no governo. É muito mais fácil executar pagamentos menores por meio de cartão de crédito. Além disso, gera mais transparência. Anos atrás, dois executivos ingleses de uma empresa gastaram uma quantidade enorme num jantar. Foram demitidos assim que o gasto foi apontado.
Eu vejo o escândalo dos cartões como uma manifestação epidérmica de uma doença mais grave, que é o fato de o Estado brasileiro estar fora de controle, pela falta de fiscalização e informações.

Por outro lado, esse escândalo mostra confusões que brotaram na opinião pública. O cartão corporativo não é culpado pela fraude, ele é a solução para combater esse tipo de corrupção, porque gera automaticamente a transparência e acaba com essa história de nota, recibo etc. Todo mundo sabe que é fácil pegar, por exemplo, um recibo superfaturado em um táxi, uma prática imoral. Se é cartão de crédito, aparece onde gastou e o valor exato. Ao surgir uma conta estranha, fiscaliza-se. Não por acaso, o escândalo só veio à tona porque os gastos ficaram registrados. Mostrou a importância de um instrumento como o Portal da Transparência. Mas há confusão sobre o que é um escândalo e o que não é.
No caso de um jantar com uma comitiva chinesa, por exemplo, gastar R$ 500 ou R$ 1.000 é normal. Você está recebendo pessoas que representam um governo estrangeiro.
O ponto crítico é o gasto na mesa de bilhar, os saques altíssimos, os gastos sigilosos que ninguém tem idéia do que foi feito ou ter um só cartão gastando R$ 500 mil por ano. Aí é que estão os absurdos.
Os saques são um ponto crucial, porque, nesse caso, o cartão pode ser fonte para caixa dois. De grão em grão a galinha enche o papo, de dez em dez reais se faz 1 milhão.

[sobre gastos “sigilosos”] Existem gastos que não podem ser mesmo publicados, como gastos em áreas estratégicas militares, exemplo do submarino nuclear brasileiro. Ou então questões geopolíticas. Mas, em qualquer país razoável, uma comissão bicameral, Câmara e Senado, analisa e acompanha tais gastos.
Agora, confidencialidade com gasto em jantar, pagamento de hotel, compra de carne para o presidente não tem o menor cabimento. O problema central não é a carne para o presidente ser risco à segurança, mas gastos sem transparência.

Também na Folha do mesmo dia (11/02/2008), uma matéria (aqui, na íntegra) compara este recurso (cartão corporativo) e sua aplicação prática em outros países. Muito ilustrativa:

Entre kit de fabricação de cerveja, TVs de plasma, próteses de silicone e clubes de strip-tease, os Estados Unidos têm assistido ao mau uso de cartões de crédito corporativos. Mas, sob vigilância crescente de órgãos de transparência e congressistas, as punições vão de multa a cadeia.
Um funcionário do Exército, condenado a oito meses de prisão, teve de devolver os US$ 61 mil gastos com seu cartão em compras como aparelhos de áudio e vídeo.
Em 2004, Peter Sylver, do alto escalão do condado de Nassau, no Estado de Nova York, foi a júri acusado de gastar US$ 4.700 de seu cartão para fins pessoais e ainda de assediar sexualmente uma funcionária. Por ter confessado os crimes, foi condenado só pelo assédio, a três anos em liberdade condicional.
Russell Harding, alto funcionário da Prefeitura de Nova York na gestão de Rudolph Giuliani, também foi levado a júri por pagar despesas em resorts com o cartão e comprar presentes para os amigos.
Auditorias nas faturas de cartões de funcionários da Marinha, em 2002, e do Departamento de Segurança Interna, em 2006, mostraram abusos.
Os funcionários têm a liberdade de usar o cartão para comprar itens que julgarem necessários para executar melhor a função. Mas um funcionário da guarda costeira comprou um kit de fabricação artesanal de cerveja por US$ 227. Por US$ 7.000, iPods foram adquiridos por agentes de serviço secreto.
De empregados da Marinha, vieram gastos com roupas, cassinos, bares e clubes de strip-tease. Um deles pagou o silicone de uma garçonete. Nos EUA, o limite do cartão varia de acordo com órgão e a função, mas pode passar dos US$ 100 mil anuais.


Porém, lamentavelmente, quem poderia cobrar do Estado maior rigor nos gastos públicos perde seu tempo em discussões em blogs e e-mails, cada qual apenas atacando o “outro lado”….. Esa briguinha imbecil, este maniqueísmo exacerbado do “PSDB x PT”….

Cada um defendendo seu “partido”, enquanto o país continua na merda.

Marx e o Capitalismo

Leitura interessante: texto publicado na Folha do último dia 09/02 (aqui).

Marx e o capitalismo

Mesmo que cada um pense e aja de maneira diferente dos outros, o capitalismo prospera

MARX CONTA, em nota de pé de página de “O Capital”, que, certa vez, uma gazeta teuto-americana criticou o materialismo da sua famosa tese, segundo a qual a estrutura econômica da sociedade é a base real sobre a qual se ergue uma superestrutura jurídica e política, à qual correspondem determinadas formas de consciência social. Para os editores da gazeta, tudo isso certamente estava correto para o mundo contemporâneo, onde dominava o interesse material, mas não para a Idade Média, em que dominava o catolicismo, nem para Atenas ou Roma, onde dominava a política. A resposta de Marx foi que “a Idade Média não podia viver do catolicismo, nem o mundo antigo, da política. Ao contrário, a forma e o modo pelos quais ganhavam a vida é que explica por que ali a política e aqui o catolicismo desempenhavam o papel principal”.

Ninguém ignora a importância do catolicismo para o feudalismo, que era o modo de produção dominante na Idade Média. Como diz o historiador Jacques Le Goff, em “O Deus da Idade Média” (ed. Civilização Brasileira), publicado no Brasil no ano passado, “no mundo feudal, nada de importante se passa sem que seja relacionado a Deus. Deus é ao mesmo tempo o ponto mais alto e o fiador desse sistema. É o senhor dos senhores. […] O regime feudal e a Igreja eram de tal forma ligados que não era possível destruir um sem pelo menos abalar o outro”.

Como se sabe, o regime feudal era o modo de produção dominante na Europa, antes do capitalismo. Curiosamente, se pensarmos agora no modo de produção que pretendia superar o capitalismo, que era o socialismo (que, segundo os marxistas-leninistas, era a primeira etapa, de transição, para o comunismo), veremos que, onde ele tentou existir realmente, como na União Soviética, nos países do Leste Europeu etc., o papel da ideologia marxista-leninista não era menor do que o da religião católica havia sido durante a era do feudalismo.
É verdade que, no socialismo, a política também teve um papel importantíssimo, não menor do que o que tivera no mundo antigo; mas, de qualquer modo, a história mostrou que aquilo que Le Goff diz da articulação entre o feudalismo e a Igreja -que eram de tal forma ligados que não seria possível destruir um sem pelo menos abalar o outro- pode ser dito da articulação entre o socialismo real e o partido marxista-leninista. Assim, por exemplo, dado que, no socialismo, as atividades econômicas não seriam mais realizadas tendo em vista a subsistência ou o lucro, era necessário que o partido -como diz uma enciclopédia publicada pelo Instituto Bibliográfico da extinta República Democrática Alemã- orientasse a criação da “unidade moral e política do povo”, de modo que o trabalho se transformasse, “de mero meio de subsistência a um assunto de honra”.

Em semelhante regime, a intolerância em relação a heresias -ideologias alternativas, “desvios”, “revisionismos” etc.- não é meramente acidental. A repressão a elas não se reduz -como se poderia supor- a um mero estratagema político, usado por determinado partido ou comitê central, ou líder (como não pensar em Stalin?) para racionalizar a prática de perseguir e eliminar os dissidentes. Ela provém da necessidade estrutural de manter a unidade ideológica indispensável para o funcionamento da própria base econômica.

Já o capitalismo funciona independentemente das idéias, concepções, religiões, atitudes, isto é, das ideologias, dos operários, capitalistas, técnicos, administradores ou consumidores que o fazem funcionar. Ainda que cada indivíduo pense e aja de uma maneira diferente de todos os outros, o capitalismo é capaz de prosperar, desde que seja observado de modo geral um mínimo de leis e regras formais de convivência. É exatamente por isso que ele é compatível com a maximização da liberdade individual, a sociedade aberta e o reformismo.

Os editores da gazeta teuto-americana perceberam de modo invertido a situação real. É o feudalismo (e, como vimos, também o socialismo) que necessita, para o seu funcionamento, de uma ideologia particular, correspondente à sua base econômica, e que, por isso, não é capaz de tolerar ideologias alternativas. O capitalismo, porém, exatamente porque a sua base econômica opera a partir do puro interesse material, independentemente de qualquer ideologia particular, não necessita de nenhuma ideologia específica, de modo que é capaz de tolerar todas, inclusive as que lhe foram ou são hostis, como o catolicismo ou o marxismo-leninismo.

ANTONIO CICERO

Não é o costume do blog simplesmente reproduzir um texto na íntegra, sem mais nem menos. Porém, este vale a pena. Ótima leitura !

Novidades

Já constam da página de downloads (aqui) algumas novidades:

1. Crônica de um partido não anunciado: programa e governos do PT entre 1979-2000, uma Tese de Doutorado da UNICAMP, cuja leitura, a despeito do viés imposto pelo autor, ajuda a relembrar as bases do surgimento do PT, suas “bandeiras históricas”, sua proximidade com o Marxismo e variantes (o tal “Socialismo Petista”), as razões do crescimento desde a fundação etc…… Assim como o item 07 supra apresenta um viés claramente tucano, este aqui tem justamente o oposto. De qualquer maneira, se deixado de lado tal viés, ainda assim é leitura interessante para quem busca conhecer verdadeiramente a corja de trogloditas que tomou de assalto o Brasil.

2. Dossiê, com matérias publicadas em alguns meios de comunicação ao longo de 2002. Traz uma auspiciosa entrevista com Heloísa Helena (ainda membro do PT, na época da entrevista), uma boa radiografia das diversas “correntes” que formam o PT, interesses de grupos próximos (como CUT e MST), e notícias gerais que ajudam a demonstrar a metamorfose pela qual o PT passou para conquistar o “poder”. Destaco os trechos que se referem ao FMI (página 26), à maneira de lidar com impostos (página 52) e a renegociação de dívidas dos Estados (página 32), pois são 3 pontos que mostram uma posição claramente antagônica àquela adotada após Rei Mulla assumir seu troninho.

3. A experiência brasileira com programas de transferência direta de renda, uma Dissertação de Mestrado da UNICAMP que trata dos programas como Bolsa Escola, Bolsa Família e afins. Serve principalmente para mostrar o histórico de programas desta natureza, característica que pode ser útil para PTistas desmiolados que dizem por aí que o Bolsa Família do Lulla é uma inovação – não é. Outro texto com forte viés, mas que não invalida, ainda assim, os dados apresentados.

Pena que os PTralhas dificilmente conseguem ler mais de 3 páginas de textos sem ilustrações (coloridas)…Estes arquivos poderão ajudar aqueles boçais que defendem o PT apenas e tão somente baseados no Manual citado abaixo….

Claro, não devem ajudar muito, pois essa corja de psicoPTs esquizofrênicos não tem o hábito de ler nada que não siga à risca as regras de insultos a “tucanos” em geral……