Porcos selvagens

Havia um professor de química em um grande colégio com alunos de intercâmbio em sua turma. Um dia, enquanto a turma estava no laboratório, o professor notou um jovem do intercâmbio que continuamente coçava as costas e se esticava como se elas doessem.

O professor perguntou ao jovem qual era o problema. O aluno respondeu que tinha uma bala alojada nas costas pois tinha sido alvejado enquanto lutava contra os comunistas de seu país nativo que estavam tentando derrubar seu governo e instalar um novo regime, um “outro mundo possível”.

No meio da sua história ele olhou para o professor e fez uma estranha pergunta: “O senhor sabe como se capturam porcos selvagens?”

O professor achou que se tratava de uma piada e esperava uma resposta engraçada. O jovem disse que não era piada.

-Você captura porcos selvagens encontrando um lugar adequado na floresta e colocando algum milho no chão. Os porcos vêm todos os dias comer o milho de gratuito. Quando eles se acostumam a vir todos os dias, você coloca uma cerca mas só em um lado do lugar em que eles se acostumaram a vir. Quando eles se acostumam com a cerca, ele voltam a comer o milho e você coloca um outro lado da cerca. Mais uma vez eles se acostumam e voltam a comer. Você continua desse jeito até colocar os quatro lados da cerca em volta deles com uma porta no último lado. Os porcos que já se acostumaram ao milho fácil e às cercas, começam a vir sozinhos pela entrada. Você então fecha a porteira e captura o grupo todo.
Assim, em um segundo, os porcos perdem sua liberdade. Eles ficam correndo e dando voltas dentro da cerca, mas já foram pegos. Logo, voltam a comer o milho fácil e gratuito. Eles ficaram tão acostumados a ele que esqueceram como caçar na floresta por si próprios, e por isso aceitam a servidão.

O jovem então disse ao professor que era exatamente isso que ele via acontecer neste país. O governo ficava empurrando-os para o comunismo e o socialismo e espalhando o milho gratuito na forma de programas de auxílio de renda, bolsas isso e aquilo, impostos variados, estatutos de “proteção”, cotas para estes e aqueles, subsídio para todo tipo de coisa, pagamentos para não plantar, programas de “bem-estar social”,  medicina e medicamentos “gratuitos”, sempre e sempre novas leis, etc, tudo ao custo da perda contínua das liberdades, migalha a migalha.

Devemos sempre lembrar que “Não existe esse negócio de almoço grátis” e também que “não é possível alguém prestar um serviço mais barato do que seria se você mesmo o fizesse”.

Pois é………. Qualquer semelhança NÃO é mera coincidência.

Infelizmente, o Brasil está muito próximo disso…….. 

Anúncios

Apedeuta e Gramsci

Nunca fui, confesso, grande fã de Carlos Vereza como ator. Contudo, ao ver estes vídeos abaixo, confesso que estou pensando em começar a buscar fã-clubes dele na internet, para me associar………

Este é o mais “novo”:

Este é mais antigo, e, eu ousaria dizer, já tornou-se um clássico:

ERIC HOBSBAWM – entrevista

Pessoalmente, acho Eric Hobsbawm uma pessoa que sempre tem algo relevante a dizer. Ontem, a Folha de São Paulo publicou uma entrevista com o historiador, que é reproduzida integralmente no site da Folha On-Line, aqui (aberto).

Não é das melhores entrevistas dele, mas ainda assim é boa.

Preciso localizar uma entrevista de uns 6 anos atrás, que tinha guardado em algum lugar do micro…….Aquela, sim, era excelente……

MST – mais crimes….

Não bastasse o longo histórico de crimes (invasões de propriedade privada, destruição da patrimônio público, extorsões etc) praticados pelo MST, uma matéria da Revista VEJA desta semana me deixou ainda mais perplexo.

Eu já sabia que o MST mantinha, COM DINHEIRO PÚBLICO (ou seja, meu, seu, de todos nós), algumas “escolas” com intenção de doutrinar os coitados dos ignorantes sem perspectivas de vida na cátedra comunista/fascista/PTista. Mais do que isso, já vi imagens da instituição PRÓPRIA que o MST estava construindo no Sul do Brasil (não sei se já está pronta, mas eram instalações nada modestas – também com dinheiro fornecido pelo governo federal), com o mesmo intuito.

Agora, a matéria da VEJA revela coisas ASSOMBROSAS.

Alguns pontos que me chamaram a atenção: o governo federal destinou, em 2006, R$ 6.300.000,00 para custear os crusos SUPERIORES dos membros do MST em universidades públicas. Já são dezesseis universidades públicas que oferecem graduação exclusiva aos assentados. É isso mesmo: elas aceitam apenas sem-terra. Segundo o ministério, o governo patrocina cursos do gênero nas áreas de pedagogia, geografia, letras, história e direito.

Para entrar nos cursos EXCLUSIVOS do MST, há um vestibular, claro. A revista publicou 3 perguntas aplicadas neste “vestibular”:

1) A relação entre estrutura fundiária e fome no Brasil decorre da…
A- evolução tecnológica das pequenas propriedades nas áreas de fronteira
B- modernização da agricultura, que gerou desemprego no campo
C- concentração de latifúndios em regiões de solos mais pobres
D- ineficiência do gerenciamento empresarial agrícola nas médias propriedades

2) Sob a lógica dos movimentos sociais no campo…
A- a agricultura brasileira é latifundiária, sendo necessária sua modernização para que a terra cumpra sua função social
B- o agronegócio é a forma de integração da agricultura familiar ao mercado capitalista
C- a agricultura brasileira é latifundiária, sendo necessária sua superação pela agricultura de caráter familiar
D- a agricultura brasileira tem caráter empresarial, portanto não há necessidade de reforma agrária

3) O “campo goiano” é representado por inúmeras manifestações culturais que desenvolvem uma diversidade de símbolos, dos quais…
A- as festas são ritos provenientes da cultura cristã ocidental
B- os causos de assombração e demônios desenvolvem o controle social através do medo
C- as simpatias e as rezas justificam a distância dessa cultura com o mundo liberal
D- a marca, o mutirão e o adjuntório aumentam a renda fundiária

Ainda não sei se isto tudo é apenas uma piada de mau-gosto………….ou……. não, com o PT no governo, não é piada, não.

É a triste realidade da incomPTência.