QUINZE PERGUNTAS

1. Por que o presidente do povo usa terno Armani?

2. Por que o presidente do povo pode ter ensino fundamental incompleto e um gari necessita de ensino fundamental completo?

3. Por que o presidente do povo acumula aposentadoria por invalidez, aposentadoria de deputado federal, pensão vitalícia de perseguido político (isento de Imposto de Renda), salário de presidente de honra do PT e salário de Presidente da República?

4. Por que o presidente do povo é perseguido político, sendo que passou apenas UMA noite no DOPS?

5. Por que o presidente do povo comprou um avião da concorrente da Embraer?

6. Por que o presidente do povo se aposentou por invalidez apenas por ter um dedo a menos e hoje “trabalha” [sic] como Presidente do Brasil?

7. Por que o presidente do povo protege seus amigos comprovadamente corruptos e nunca aconteceu nada com ele?

8. Por que o presidente do povo se vangloria de não ter estudo e ser filho de mãe analfabeta e acha normal ter filhos estudando fora do Brasil?

9. Por que o presidente do povo quando do seu mandato de Deputado Federal, não participou da vida parlamentar do Congresso?

10. Por que o partido do presidente do povo tem ligação com as FARC e ninguém comenta isto?

11. Por que a mulher do presidente do povo não faz absolutamente nada, e ainda recebe condecoração?

12. Por que o presidente do povo não sofreu impeachment como o Collor sofreu?

13. Por que a ex-Senadora Heloísa Helena foi expulsa do PT e o José Dirceu (Deputado Federal cassado) e Antonio Palocci (Deputado Federal denunciado por quebra ilegal desigilo bancário e outros crimes) não o foram?

14. Por que o presidente do povo nunca soube das coisas do partido e do governo dele, MAS SABE DE TUDO SOBRE OS GOVERNOS ANTERIORES?

15. Finalmente, a pergunta mais difícil de todas: Por que tantos intelectuais, cientistas, professores universitários, reitores e outros membros da nata do país continuam apoiando o presidente do povo?

Empresas privatizadas: mais competitivas

Num ranking elaborado pelo Boston Consulting Group, que listou as 100 empresas mais competitivas dos países “em desenvolvimento”, uma curiosidade: o Brasil ocupa o 3o lugar, atrás de China e Índia. Para maiores informações, consultar a Folha OnLine aqui, ou o próprio Boston Consulting Group, aqui. A relação completa está aqui.

No Brasil, são 13 empresas: Vale, Petrobrás, Embraer, Gerdau, Votorantim, Braskem, Sadia, Perdigão, Natura, Coteminas, WEG, JBS-Friboi e Marcopolo. Destas, APENAS UMA É ESTATAL.

Todas as demais são empresas privadas.

Duas delas (Vale e Embraer) foram privatizadas (na época de FHC). Que foi criticado (ainda é, até hoje), chamado de “privatista”; muita gente, por pura falta de conhecimentos, acreditou quando o PT colou a pecha de “privatista” no picolé de chuchu (Alckmin) nas últimas eleições. O PT usou e abusou da burrice de muita gente, que simplesmente nunca entendeu o que foi a privatização – e, por alguma razão obscura, acha que é algo parecido a “entregar o Brasil” ao “poder imperialista” ou bobagem que o valha.
Cadê os bitolados defensores da estatização ?

Será que a Vale do Rio Doce constaria desta lista se ainda fosse estatal ? Será que aqueles mentecaPTos ainda querem reestatizar a Vale ?

EMBRAER: 2 pesos e 2 medidas…

Interessante o vídeo abaixo:

Destaco que por volta de 04m:30s o então candidato à reeleição Lulla cita a Embraer como grande exemplo do suposto superávit comercial do Brasil com a China, devido à venda de jatos da Embraer ao país asiático…..

Só para lembrar: o PT e Lulla sempre criticaram a privatização. A Embraer é um dos exemplos do processo bem-sucedido de privatização que sofreu tantas críticas do PT, do MST, da CUT, e de outras organizações criminosas e semelhantes. Tratei do caso da Embraer aqui.

Então, só para deixar claro: a privatização é boa ou ruim ?

Ou será que isso é um conceito que muda conforme a necessidade do PT e do Lulla ?!

Finalmente, em homenagem aos dólares da cueca do PT:

Selo comemorativo

Esta vai para descontrair (já que conseguirei tirar uma semana de férias):

Lula queria um selo com sua foto para marcar o aniversário de seu governo.
Duda Mendonça achou boa a idéia e executou o projeto.
Lula aprovou e mandou a ECT fazer 10 milhões de selos.
Quando o selo foi para as ruas, Lula ficou radiante!
Mas, em poucos dias, ficou furioso ao ouvir reclamações de que o selo não aderia aos envelopes.
Imediatamente, convocou os responsáveis pela confecção e emissão do selo com sua imagem, ordenando que investigassem rigorosamente o assunto.
Comissões pra lá, grupos,subgrupos e equipes aos montes pesquisaram as agências dos Correios de todo o país, ouviram usuários, balconistas etc…e, finalmente, desvendaram o que estava ocorrendo.

O relatório, com mais de mil páginas, entregue um mês depois, dizia, na sua conclusão:
“Não há nada de errado com a qualidade dos selos. O problema é que o povo está cuspindo do lado errado.”

Interessante como numa única piada conseguiu-se mesclar Duda Mendonça, Correios (“berço” da descoberta sobre o mensalão), a mania lullista de criar comissões e grupos de inúteis (conselhos e afins), além, é claro, do brilhantismo que já virou marca registrada de Rei Mulla.

Aliás, sobre o brilhantismo de Rei Mulla, a coluna de Clóvis Rossi na Folha de São Paulo do último sábado (10/11/2007, na íntegra aqui para assinantes) é simplesmente impecável:

Estamos em 21 de agosto de 2007, em São José dos Campos, mais exatamente na sede da Embraer. Ao lado de Lula, estão os comandantes da própria Embraer, como é óbvio, mas também os dirigentes de uma certa BRA, companhia de aviação que, então, pouco freqüentava o noticiário. Lula discursa para comemorar “a assinatura de um contrato entre a empresa BRA e a Embraer para a compra de 20 jatos Embraer 195, no valor de US$ 730 milhões”. O presidente ousa bancar a pitonisa para dizer o seguinte, palavra por palavra: “Eu tenho certeza de que, nos próximos anos, a BRA vai colher com o lucro e com o crescimento do número de clientes pela aposta certa que está fazendo de acreditar cada vez mais na aviação regional”. Não satisfeito, já no fim do discurso, Lula arrisca-se a mais uma previsão ufanista, bastante típica: “A BRA está dando uma demonstração de que não é apenas o coração que é brasileiro, ou a cabeça que é brasileira, ela é uma empresa que acredita no crescimento da oferta de passageiros para cumprir a demanda que eles vão oferecer”.
Será que não havia, no entorno presidencial, alguma alma caridosa para avisá-lo de que a BRA, já então, não era uma Brastemp?
Claro que o presidente sempre pode refugiar-se em uma de suas frases preferidas, já bastante folclorizada, a famosa “eu não sabia”. Até admito que o presidente não seja obrigado a saber de tudo, mas seus assessores deveriam estar suficientemente espertos para evitar que se vinculasse tão gostosamente a um iminente fracasso. Mas o pior, o mais atordoante, é não saber quantas outras “certezas” do presidente virarão falências pouco tempo depois. 

Desnecessário comentar.

Privatizar, sim

Então o PT resolveu apoiar o tal plebiscito para que a população opine sobre a proposta de re-estatizar a Vale do Rio Doce (aqui) ? Para “sustentar” o absurdo, diversos asseclas do PT costumam espalhar dados e informações falsas (aqui, por exemplo).

Entre as besteiras que o “jornalista” José Cristian Góes divulga, algumas merecem atenção:

1) Diz o jornalista mal-informado (ou mal-intencionado) que “Em 1997, o presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) “vendeu” a CVRD por apenas R$ 3,3 bilhões. Curiosamente a avaliação dos auditores privados e do próprio Governo davam a Vale um preço de R$ 93 bilhões, ainda assim um valor muito abaixo do real“. Tudo mentira. O leilão das ações da CVRD previa a venda de cerca de 41,73% das ações ON (ordinárias) da empresa, não “toda a empresa”, como o pseudo-jornalista tenta levar o leitor a acreditar. Além disso, a privatização, ocorrida em 07 de Maio de 1997, não poderia identificar o valor de mercado da CVRD em R$ 93 bilhões: HOJE, o valor de mercado da CVRD é de R$ 127 bilhões, com um lucro líquido anual de R$ 7 bilhões. O “jornalista” inventou um lucro de incríveis R$ 13,4 bilhões em 1996 – MENTIRA !!!! Em 1998, primeiro ano de demonstrações contáveis pós-privatização, o balanço da CVRD indicava lucro que aproximadamente R$ 1 bilhão (basta consultar o site da Comissão de Valores Mobiliários, aqui, ou da própria Vale do Rio Doce, aqui).

2) O mentiroso jornalista afirma, ainda, que “E tem mais: quase 70% do lucro da Vale, isto é, os dividendos construídos em cima dos minérios desta terra, do nosso povo, estão nas mãos dos controladores privados estrangeiros da CVRD, ou seja, quase nada fica aqui.“. Ele mente, novamente – e continua mentindo, algumas linhas abaixo: “os lucro [sic] da Vale privatizada enriquecem os acionistas, principalmente, estrangeiros que investem na bolsa de valores nos EUA e na Ásia“.O pior é que grande parte dos eleitores do PT, por ignorantes, acabam acreditando nestas bobagens….. As empresas que compraram os 41,73% das ações ordinárias da CVRD foram: CSN (Companhia Siderúrgica Nacional, empresa brasileira), Bradesco (maior banco privado brasileiro), Previ (Fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil, brasileiro), além de grande parcela negociada em bolsas de valores. A composição acionária da empresa é pública, e pode ser conferida aqui, ou então diretamente nas Bolsas de Valores nas quais opera (NYSE e Bovespa inclusas).

O “jornalista” José Cristian Góes continua mentindo, sempre com base nestas deturpações – que são as mais graves, porque embasam argumentos sofismáticos. Pior, MENTIROSOS.

Ele mente para tentar justificar o injustificável.

A privatização de empresas brasileiras, ao longo dos 2 mandatos FHC, foram positivas: criaram empregos, dinamizaram diversos setores da Economia brasileira, beneficiaram a população diretamente (via de regra, através da oferta de melhores serviço) e, em alguns casos, colocaram empresas brasileiras em posição competitiva MUNDIALMENTE. Além da Vale do Rio Doce (que, antes da privatização, era a nona maior mineradora do mundo; HOJE, É A SEGUNDA), a Embraer: estava à beira da falência quando foi a leilão, em 1995; hoje é a terceira maior fabricante mundial de aviões. Sob o comando da iniciativa privada, a Embraer passou por um ajuste brutal, impossível de ser feito numa companhia regida pelos princípios do Estado. Foi isso que a colocou na posição de empresa de classe mundial. Guinadas como essas são tarefas para executivos profissionais – não para políticos, que chegam e vão embora de acordo com o resultado das eleições.Maurício Botelho, presidente da Embraer, está no cargo há 12 anos (para maiores detalhes, ler a íntegra da reportagem, da Revista Exame, Edição 880, de 02/11/2006, aqui).

O presidente do Banco do Brasil (estatal) já mudou mais de 3 vezes APENAS no primeiro mandato (sic) Lulla. Em 1994, antes da privatização, a Embraer empregava 6.100 pessoas. Em 2005, já privatizada há 10 anos, o número era de 17.000. Em 1994, a empresa entregou 4 aviões; em 2005, foram 141.

As empresas que compraram as malhas da Rede Ferroviária Federal – típica estatal com muitos funcionários e pouco investimento – hoje transportam 80% de carga a mais. Para dar conta desse aumento, a indústria de equipamento ferroviário renasceu: o número de vagões produzidos saltou de 200 em 1992 para 7 500 em 2005, o que representou a construção de quatro novas fábricas e a criação de 30.000 empregos.

São vários os exemplos de privatizações bem-sucedidas – mas a “imprensa vermelha” bancada pelo PT distorce fatos, mente e tergiversa. Má-fé aliada à ignorância.

Por que os (pseudo) “jornalistas” que abastecem as páginas de mentiras do site do PT, da “Agência Carta Maior” e de outras publicações deste mesmo (baixo) nível, como Caros Amigos, não têm coragem de buscar fatos verdadeiros para tentar argumentar ?

Por que os militantes do PT e seus asseclas (remunerados ou não) recorrem a tantas mentiras ? Só porque eles não têm argumentos que respaldem suas propostas ridículas ?