20 anos e muitas bravatas depois

O texto não é meu. Recebi por e-mail, encaminhei à minha tradicional “listinha”, e aproveito para reproduzir aqui também.

Deve ser lido, analisado e lembrado.

Sempre.

Constituição: liderados por Lula, petistas votaram contra


Partido foi único a se recusar a apoiar Carta Magna em 1988

Neste domingo, 5 de outubro, a Constituição Federal completa 20 anos de existência. O documento que simbolizou o início de uma era democrática no Brasil – após quase duas décadas de regime ditatorial – foi elaborado por diversos personagens que ainda hoje integram o cenário político do país. Na Assembléia Nacional Constituinte (ANC), além do então presidente Ulysses Guimarães, estava presente o presidente da República, o então deputado constituinte Luiz Inácio Lula da Silva.

Em 1988, Lula, foi escolhido para fazer o discurso no qual o PT anunciava que votaria contra o texto final da nova Constituição. Em um pronunciamento firme, acusou as elites brasileiras de mentirem e manobrarem para impor uma carta conservadora que não atendia os direitos dos trabalhadores. A legenda foi a única a votar contra a nova Carta.

Em seus 52 discursos ao longo da Assembléia Constituinte, o atual presidente do Brasil defendeu o direito dos trabalhadores à greve, uma reforma agrária radical e o respeito ao meio ambiente, além de criticar o governo do então presidente da República, José Sarney (PMDB), hoje um de seus principais aliados no Senado. O PT não apenas votou contra como sua bancada chegou a pensar em não assinar o documento. A principal alegação de Lula era que se tratava de uma Carta muito “conservadora”.

Entre os integrantes da bancada petista, estavam, além do próprio Lula, os deputados José Genoíno (SP), Virgílio Guimarães (MG), o hoje senador Paulo Paim (RS), o ex-governador do Rio Grande do Sul Olívio Dutra, além dos ex-ministros Luiz Gushiken e Benedita da Silva. Apesar da nova Constituição ter sido considerada um marco em termos de direitos individuais e trabalhistas, o líder do PT deu diversas entrevistas à época dizendo que ela ficou “aquém das reivindicações dos trabalhadores”.

Duas décadas depois, o discurso mudou e abrandou bastante. Questionado pela mídia sobre a importância da Carta nos dias de hoje, o presidente tem se desmanchado em elogios ao texto. E reconheceu a alguns jornais, na semana passada, que teria sido muito pior se o partido dele tivesse vencido durante a votação na Assembléia.

Em entrevista ao “Correio Braziliense”, o Lula de 2008 não hesitou em afirmar que “tudo que nós alcançamos até agora foi fruto da Constituição de 1988”. Entre os pontos destacados pelo presidente estão a universalização dos direitos sociais, medidas tomadas contra a pobreza e a desigualdade, além da Carta ter proporcionado as condições para que possamos viver hoje um bom momento econômico.

A Assembléia Constituinte também foi alvo da ira de Lula, quando acusou os parlamentares de incapacidade política, de falta de diálogo e também de articulação, segundo “O Globo” relatou na ocasião. Agora, o presidente preferiu mudar o tom e enalteceu ao jornal candango os trabalhos da ANC e a participação popular quando da elaboração da Constituição. “A Assembléia Constituinte foi o momento mais rico da vida parlamentar brasileira. Houve uma participação popular como nunca se viu no país, com milhares de pessoas indo ao Congresso fazer pressão, reivindicar. Foi graças a esse estímulo que fizemos uma Constituição avançada”, disse ao “Correio” de 28 de setembro último.

Como a PTralhada tem memória seletiva bem ruinzinha, é bom que na próxima vez que você, leitor bem informado, ouvir algum PTralha elogiando a Consituição e exigindo seu cumprimento, lembre-se de que se dependesse deles, PTralhas, a Constituição não existiria.

O único jeito de eliminarmos essa raça asquerosa, os PTralhas, é mostrar quão mentirosos eles são.

Sempre.

Anúncios

Peggy Sue: o passado condena – parte 20

Retomo um tema recorrente por aqui, mas não por isso “obsoleto”: a mudança notável (e hipócrita) que acometeu a cambada do PT desde que assumiram o poder.

Esta carta, abaixo, foi enviada por um leitor ao Painel do Leitor da Folha de São Paulo de ontem, 30/03:

“É impressionante como as opiniões dos políticos mudam de acordo com o lado em que se encontram. Tudo o que o PT condenava quando era oposição ele pratica agora que está no poder. A última de Lula é ficar indignado quando dizem que o PAC é eleitoreiro. Mas ele fazia exatamente a mesma coisa quando era oposição.”
IRACEMA PALOMBELLO (Bragança Paulista, SP)

Faço minhas as palavras da leitora Iracema.

O pior de tudo é a burrice dessa cambada do PT: para poder comemorar os números da Economia, eles não têm problema em falar um monte de merda, eventualmente roubando feitos que eles atacavam antes de “converterem-se” ao capitalismo imperialista.

Esquecem, convenientemente, de dizer que foram contra o Plano Real, contra a Lei de Responsabilidade Fiscal, contra as privatizações……. Alguns dos fatores sem os quais os atuais resultados da Economia não seriam os mesmos.

O pior de tudo é que eles agora defendem algumas “medidas” como se fosem deles !

E deixam de lado a oportunidade de celebrar as decisões e “medidas” que foram efetivamente adotadas por eles…….. Como a manutenção da política econômica do FHC (aquela mesma “sugerida” pelo FMI e repudiada pelo “antigo PT”).

Remessa de lucros ao exterior

Mais uma vez, o PT proporciona um “espetáculo de hipocrisia” (já que o “espetáculo do crescimento” não veio).

Matéria da Folha de São Paulo traz as seguintes informações: A remessa de lucros e dividendos para as matrizes das multinacionais nos quatro primeiros anos do governo Lula foi o triplo da registrada entre 1999 e 2002, no segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso, informam nesta terça-feira Ney Hayashi da Cruz e Fernando Nakagawa, em reportagem da Folha (exclusivo para assinantes). Segundo a reportagem, entre 2003 e 2006, no primeiro mandato de Lula, a cada US$ 10 que entraram no Brasil, outros US$ 6 foram enviados ao exterior como ganho às sedes. Nos quatro últimos anos da gestão FHC foram remetidos US$ 2 para cada US$ 10 que entraram no país. No primeiro mandato de FHC — entre 1995 e 1998– foram remetidos US$ 2,5. O ingresso de investimentos estrangeiros entre 2003 e 2006 somou US$ 62,1 bilhões, enquanto as remessas foram de US$ 37,8 bilhões, conforme os números do BC, informa a Folha.
O texto, na íntegra, está aqui.

Interessante notar que o PT sempre defendeu, entre outras coisas, a moratória da dívida externa (quando aproveitava para incendiar bandeiras dos Estados Unidos, reclamando do “imperialismo norte-americano”); sempre criticou o “capital especulativo”, diretamente ligado às críticas que fazia às privatizações (“entrega do capital nacional para os estrangeiros”, base da patética e mentirosa campanha pela reestatização da Vale do Rio Doce); sempre criticou as empresas estrangeiras, defendendo que tudo fosse do Estado brasileiro, seguindo as propostas do moderníssimo e super-bem avaliado modelo soviético (que acabou quando mesmo ?!)….

Mas decerto, agora, Rei Lulla acabará comemorando esta notícia. Ele vai dizer que é mais uma “prova” do sucesso do seu governo (sic). Então hoje é bom, mas quando ele era oposição, era ruim ?!

Mais bravatas, mais hipocrisia.

PRIVATIZAÇÕES: do passado e do presente.

Quando vejo algumas ações e, especialmente, DECLARAÇÕES dos PTistas, fico me perguntando como é que uma pessoa que tenha ao menos 2 neurônios e QI maior ou igual a 0,1 pode votar na cambada…..

Rei Lulla e seus asseclas (incluindo MST, CUT e congêneres) pediram o impeachment de Fernando Henrique Cardoso diversas vezes, ao longo dos 8 anos de seu mandato. Uma das ocasiões foi quando das privatizações: da Vale do Rio Doce (sobre a qual já comentei bastante, aqui, aqui, aqui e aqui, mais aqui e aqui), do sistema Telebrás (toda a telefonia, fixa e celular) e das empresas de energia, bancos etc. Como se não bastasse, na campanha eleitoral de 2006, o PT tentou (e conseguiu) fixar a imagem de “privatista” no picolé de chuchu (coitado!). Porém, como todo PTista tem esse problema agudo de hipocrisia, falsidade e não resiste às mentiras………. No dia em que o governo federal faz leilão na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) para privatizar cerca de 2.600 quilômetros de rodovias federais, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou a venda de ferrovias para a iniciativa privada realizada em governos anteriores. (extraído do ValorEconômico, na íntegra aqui)

Como se não bastasse, (de novo!), o PT usou o tema “privatizações” nas duas campanhas que elegeram esta mulla apoplética (2002 e 2006), sempre vinculando o PSDB às privatizações, e sempre com os argumento (falsos) de que FHC havia “dado” patrimônio dos brasileiros para estrangeiros. A tentativa ridícula, capiteneada por MST, CUT e outras organizações criminosas e patéticas, de reestatizar a Vale do Rio Doce segue o mesmo caminho (já comentei isso também).

Li algumas coisas interessantes sobre isso, mas o comportamento ridículo (nada além do esperado, aliás) do PT e, em particular de seu representante máximo, a mulla apoplética, me lembraram um comercial da década de 1980 – que, graças ao YouTube, reproduzo abaixo:

Obviamente, a campanha (genial, criada pelo igualmente genial Washington Olivetto) é infinitamente superior, em termos de qualidade, à corja de boçais do PT – mas seu conteúdo, a “mensagem” que ela traz………tudo isso tem um significado particular quando se fala dessa cambada de inePTos, incomPTentes.

Nas palavras (sábias) de Reinaldo Azevedo, sobre a críticas feita pelo apedeuta às privatizações, no mesmo dia em que o (des)governo PTista fez as suas próprias privatizações: É o fim da picada: ele ataca o antecessor por ter feito com a ferrovia o que ele, finalmente — e com atraso — está fazendo com as rodovias federais. Lula não se emenda nem tem medo do ridículo. Leiam acima: ele não consegue passar incólume por um texto objetivo de uma agência oficial de notícias. Inaugura trechos de obras que tiveram a participação do governo anterior ao seu, mas põe tudo na sua conta pessoal. Lula é o maior privatista da história brasileira. Privatiza até a biografia e os feitos alheios.
E Reinaldo Azevedo continua: O leilão de sete trechos de rodovias federais foi paralisado por um mandado de segurança. Nada a ver com um PT. Um empresa que foi desqualificada, a Constram, recorreu à Justiça. Até aquela hora, quatro trechos já tinham sido arrematados pela espanhola OHL. Você viu o PT e a CUT por aí? Como no refrão de uma antiga canção do ieieiê, “eu não, eu não, eu não”. Ou melhor: vi. Eles estavam ontem torrando o saco do governador José Serra, acusando-o de ter A INTENÇÃO de privatizar empresas do estado de São Paulo. Petistas são assim mesmo, como certos jornalistas: julgam INTENÇÕES, não fatos. Lembram-se do leilão da Telebras? Se a memória não me trai, a foto está na primeira página da Folha de então: um manifestante chuta o traseiro de um investidor à porta do prédio em que se fez o leilão. E agora? Agora nada! Eis o PT em estado puro: o que, para os outros, é criminoso, para eles, é virtuoso. Vejam a foto acima (para ver a imagem, aqui). São manifestantes do Sindicato de Trabalhadores em Pesquisa, Ciência e Tecnologia-SP. Estão protestando justamente contra a privatização da Telebras, em 1997. Para estes videntes, a área que dizem representar estaria melhor sem o capital privado. Ah, claro: são filiados à CUT e, portanto, petistas de carteirinha.

Não vou transcrever tudo, mas há alguns posts do blog do Reinaldo Azevedo que estão realmente perfeitos, irretocáveis: este, este e este.

A falsidade da PTralhada não é novidade….. Mas quero ver o MST, a CUT e demais anexos do PT protestando por estas privatizações……. Quem será que ocupará o lugar de Lulla para pedir o impeachment do responsável pelas privatizações do PT ????????

Uma dica: a Ministra Dilma Rousseff dificilmente o fará: ela está comemorando (aqui). Para ver detalhes sobre as comemorações da antiga militante comunista, que hoje se diz socialista – mas, estranhamente, comemora quando seu próprio chefe entrega patrimônio brasileiro para estrangeiros, de mãos beijadas……aqui.

Mas para não ser totalmente injusto, o PT está, sim, criticando a privatização. E planeja, em parceria com a CUT (claro!), manifestações contrárias àquilo que eles chamam de “privatização tucana em São Paulo”. Quer detalhes ?! Veja aqui.

Traduzindo em miúdos: PT+CUT armam-se para criticar a “privatização tucana em São Paulo” – cabe ressaltar: até o momento, só está confirmado um levantamento do valor de mercado (dos ativos) do Estado, nada mais. Ainda não se falou em privatização – pode ser que ocorra, pode ser que não. Mas este nem é o ponto: o PT, em seu próprio site, dá destaque às críticas àquilo que eles já chamam de “privatização tucana em São Paulo”. Mentira.

Como se não bastasse esta mentira, o texto prossegue recheado de mentiras DESCARADAS: A CUT-SP, sindicatos cutistas e parlamentares de São Paulo realizaram na segunda-feira (8), aquela que promete ser a primeira de uma série de manifestações contra a venda de um lote de empresas públicas paulistas. [comentário meu: perceba, caro leitor, que aqui o texto já fala em “venda de um lote”, quando nada disso foi anunciado !!!!! MENTIRA PURA, DISTORÇÃO DO MAIS BAIXO NÍVEL, COISA TÍPICA DA DOBRADINHA PT+CUT]

Um “pacotão” de 18 empresas, divididas em três grupos (leia abaixo) passarão por definição de valores. Na próxima semana, o governo José Serra (PSDB) deve anunciar as empresas vencedoras do processo. Entre as candidatas estão JP Morgan, Banco Fator e Ernest Young. No grupo de modelagem de vendas, disputam Morgan Stanley, Citi Bank e Ernest Young.
O presidente nacional da Central Única dos Trabalhadores, Artur Henrique, lembrou que no início do Programa Estadual de Desestatização (PED), em 1995, assim como acontece agora, o governo Mário Covas (1995-2001) dizia que a venda das companhias iria diminuir as dívidas do Estado e melhorar os serviço. “Após 12 anos vemos que os serviços pioraram e as tarifas aumentaram. Já naquela época falávamos sobre a suspeita de usar as empresas como caixa de campanha e moeda de troca política. Por aqui, PSDB significa patrimônio sendo doado em troca de banana”, criticou.
[NOVAMENTE UM COMENTÁRIO MEU: A notícia trata o levantamento dos valores como se fosse uma decisão já tomada. Não é. Não bastasse isso, é engraçado o PT+CUT criticarem empresas públicas como moeda de troca política, logo depois de o PT ter tomado de assalto Petrobras, Banco do Brasil e demais estatais e autarquias…..ironia do destino ou o texto faz pouco da inteligência do leitor ?!]
Também na segunda-feira (8) a Bancada do Partido dos Trabalhadores na Assembléia Legislativa de São Paulo (Alesp) protocolou um recurso de reconsideração à Ação Popular e o pedido de liminar na 1.ª Vara da Fazenda Pública do Estado de São Paulo. Porém, a juíza Luciana Almeida Bresciani considerou que não há riscos de venda imediata das estatais. Contudo, o grupo da oposição alega que não há razão para o Estado pagar R$ 20 milhões para que as empresas sejam avaliadas, se não há intenção de vendê-las. “Somos solidários à luta contra o sucateamento público e apoiamos aqueles que desejam preservar o patrimônio público construído com muita luta e muito suor”, afirmou o deputado do PT-SP, Marcos Martins. Na próxima quarta-feira (10), uma reunião na Assembléia Legislativa, às 10h, definirá os próximos passos da Frente em Defesa das Empresas Públicas.
Leia abaixo o conteúdo do material que a CUT-SP distribuiu diante da Secretária da Fazenda de São Paulo:
Frente em Defesa das Empresas Públicas Estatais
Nessa segunda-feira (08) o governo José Serra (PSDB) promoveu o primeiro passo para vender o que resta do patrimônio da população de São Paulo. Sabesp, Nossa Caixa, Metrô, CDHU, Cetesb, EMTU, são sete das 18 empresas (leia a lista completa abaixo) que serão avaliadas e poderão passar para as mãos do poder privado. Caberia ao poder público controlar e administrar o fornecimento de água, saneamento básico e ambiental, transporte, habitação, educação, obras e serviços.
Para refrescar sua memória, lembramos que em 12 anos de governo tucano no Estado de São Paulo, Mário Covas e Geraldo Alckmin, antecessores de Serra, se livraram de grupos estratégicos como Comgás, Eletropaulo e Banespa, responsáveis por incentivar o desenvolvimento social. Um exemplo do tamanho do prejuízo para a população: quem empresta dinheiro para o pequeno agricultor ou financia a compra de casas pelo público de baixa renda são os bancos públicos, como a Nossa Caixa, com juros menores e o compromisso de aumentar o número de pessoas com moradia. Sem o controle social que as empresas públicas permitem, veremos o aumento do custo dos serviços e queda da qualidade, além de prejuízos como a tragédia da Linha 4-Amarela do Metrô, recente exemplo da falta de compromisso do poder público paulista com o cidadão. Precisamos de sua ajuda para impedir a privatização. Defenda nosso Estado, participe da mobilização. As companhias são da população e não podemos permitir que Serra e seus aliados as vendam para fazer caixa!

Vende-se
Grupo 1: Cesp (energia elétrica), Sabesp (saneamento básico –  abastecimento de água), Nossa Caixa (crédito imobiliário – crédito rural – acesso ao sistema financeiro); Grupo 2: Metrô (transporte), CDHU (habitação), CPTM (transporte – trem), Dersa (construção, fiscalização e administração de estradas), Emae (energia), Cosesp (seguros); Grupo 3: CPP (educação), Cetesb (saneamento ambiental), Prodesp (processamento de dados do Estado), Imprensa Oficial, EMTU (transporte – ônibus), CPOS (obras públicas), IPT (pesquisa tecnológica), Codasp (desenvolvimento agrário), Emplasa (planejamento urbano).

Em resumo, MAIS UMA VEZ o PT faz exatamente aquilo que ele mais criticou, desde sempre. Porém, como agora é conveniente……..deixa de citar a privatização do próprio PT, mas segue atacando a privatização do PSDB……