Balonista PTralha

Um homem caminhava por uma estrada, quando percebe um balão voando baixo. O balonista lhe acena desesperadamente, consegue fazer o balão baixar ao máximo possível e lhe grita:

– Pode me ajudar? Prometi a um amigo que me encontraria com ele às 2 horas da tarde, mas já são 4 horas e nem sei onde estou. Poderia me dizer onde me encontro?

O homem responde:

– Sim ! Você está a uns cinco metros acima da estrada, 33 graus de latitude sul e 51 graus de longitude oeste.

O balonista escuta e pergunta, com sorriso irônico:

– Você é Engenheiro?

– Sim, senhor! Como descobriu?

– Simples! O que você me disse está tecnicamente correto, porém sua informação me é inútil e continuo perdido! Será que consegue uma resposta mais satisfatória?

O engenheiro raciocina por segundos e depois afirma ao Balonista:

– Você é Petista!

– Sim, sou filiado ao PT! Como descobriu?

– Fácil! Veja só. Você subiu sem ter a mínima noção de orientação. Não sabe o que fazer, onde está e tampouco para onde ir!  Fez promessa e não tem a menor idéia de como conseguirá cumpri-la. Espera que outra pessoa resolva o seu problema. Continua perdido e acha que a culpa é minha.

O que é política ?

Esta é impagável (e particularmente verídica):
– Pai, eu preciso fazer um trabalho para a escola! Posso te fazer uma pergunta?
– Claro, meu filho, qual é a pergunta?
– O que é política, pai?
– Bem, política envolve: Povo; Governo; Poder econômico; Classe trabalhadora; Futuro do país.
– Não entendi. Dá para explicar?
– Bem, vou usar a nossa casa como exemplo: Sou eu quem traz dinheiro para casa, então eu sou o poder econômico. Sua mãe administra, gasta o dinheiro, então ela é o governo. Como nós cuidamos das suas necessidades, você é o povo. Seu irmãozinho é o futuro do país e a Zefinha, a babá dele, é a classe trabalhadora. Entendeu, filho?
– Mais ou menos, pai. Vou pensar.

Naquela noite, acordado pelo choro do irmãozinho, o menino, foi ver o que havia de errado. Descobriu que o irmãozinho tinha sujado a fralda e estava todo emporcalhado. Foi ao quarto dos pais e viu que sua mãe estava num sono muito profundo.
Foi ao quarto da babá e viu, através da fechadura, o pai na cama com ela. Como os dois nem percebiam as batidas que o menino dava na porta, ele voltou para o quarto e dormiu.

Na manhã seguinte, na hora do café, ele falou para o pai:

-Pai, agora acho que entendi o que é política.
– Ótimo filho! Então me explica com suas palavras.

– Bom, pai, acho que é assim:  enquanto o poder econômico fode a classe trabalhadora, o governo dorme profundamente, o povo é totalmente ignorado e o futuro do país fica na merda!!!

Tipo sangüíneo

Esta contribuição é da Carol:

CAROS AMIGOS,
Fico chateado quando usam a Internet para espalhar informações que não  procedem!
Me enviaram hoje um e-mail dizendo que o sangue do nosso presidente é do tipo A-peritivo e o dos eleitores dele é do tipo O-tário.

É muita sacanagem e falta de ética, usar a Internet para passar esse tipo de coisa…
Temos que divulgar informações corretas!

O sangue do presidente é do tipo B-bum e o dos eleitores AB-estalhados.


A mentira tem perna curta, língua presa, barba e um dedo a menos na mão.

Como cheira um puteiro ?

Outra contribuição que recebi por e-mail, desta vez, do Lúcio:

De algum jeito, Luiz Favre e Kassab foram parar na mesma barbearia.  Lá sentados, com um barbeiro atendendo a cada um, não se falou uma  palavra.
Os barbeiros temiam iniciar qualquer conversa pois poderia descambar para discussão política.
Terminaram a barba de seus clientes mais ou menos ao mesmo tempo.
O barbeiro  que tinha o Favre em sua cadeira estendeu o braço para pegar a loção  pós-barba, no que foi interrompido rapidamente por seu cliente.
– Não obrigado, minha esposa Marta vai sentir o cheiro e pensar que eu  estava num puteiro – disse Favre.
O segundo barbeiro virou-se para o Kassab.
– E o senhor? – indagou.
E Kassab respondeu:
– Vá em frente, minha familia não sabe como é o cheiro de um  puteiro.

Kassab é casado ?

Detesto essa “politicamente correto”, inclusive, por isso: depois da baixaria que a campanha da Marta fez, tentando pautar as discussões pela vida pessoal do Kassab, se não fosse o maldito do politicamente correto ele poderia ter respondido algo mais ou menos assim:

– Eu até queria casar, mas tive medo de pegar uma vagabunda que pudesse me trair com algum malandro argentino.