QUINZE PERGUNTAS

1. Por que o presidente do povo usa terno Armani?

2. Por que o presidente do povo pode ter ensino fundamental incompleto e um gari necessita de ensino fundamental completo?

3. Por que o presidente do povo acumula aposentadoria por invalidez, aposentadoria de deputado federal, pensão vitalícia de perseguido político (isento de Imposto de Renda), salário de presidente de honra do PT e salário de Presidente da República?

4. Por que o presidente do povo é perseguido político, sendo que passou apenas UMA noite no DOPS?

5. Por que o presidente do povo comprou um avião da concorrente da Embraer?

6. Por que o presidente do povo se aposentou por invalidez apenas por ter um dedo a menos e hoje “trabalha” [sic] como Presidente do Brasil?

7. Por que o presidente do povo protege seus amigos comprovadamente corruptos e nunca aconteceu nada com ele?

8. Por que o presidente do povo se vangloria de não ter estudo e ser filho de mãe analfabeta e acha normal ter filhos estudando fora do Brasil?

9. Por que o presidente do povo quando do seu mandato de Deputado Federal, não participou da vida parlamentar do Congresso?

10. Por que o partido do presidente do povo tem ligação com as FARC e ninguém comenta isto?

11. Por que a mulher do presidente do povo não faz absolutamente nada, e ainda recebe condecoração?

12. Por que o presidente do povo não sofreu impeachment como o Collor sofreu?

13. Por que a ex-Senadora Heloísa Helena foi expulsa do PT e o José Dirceu (Deputado Federal cassado) e Antonio Palocci (Deputado Federal denunciado por quebra ilegal desigilo bancário e outros crimes) não o foram?

14. Por que o presidente do povo nunca soube das coisas do partido e do governo dele, MAS SABE DE TUDO SOBRE OS GOVERNOS ANTERIORES?

15. Finalmente, a pergunta mais difícil de todas: Por que tantos intelectuais, cientistas, professores universitários, reitores e outros membros da nata do país continuam apoiando o presidente do povo?

Anúncios

JOSÉ DIRCEU: mentir e deturpar fatos é um hobby !

José Dirceu é, sem dúvida, em escroque da pior espécie.

Estava, há pouco, vasculhando alguns blogs e sites, para verificar a repercussão da entrevista do ex-Primeiro Ministro lullista. Acabei, é claro, chegando ao blog do próprio ex-Primeiro Ministro. Li alguns posts, e acabei chegando a alguns que por pouco não me fazem vomitar – mas decerto ajudam a reforçar a ojeriza que nutro por aquele bandido.

No dia 19/12/2007, ao final de um post, o ex-Primeiro Ministro cassado conclui, ao mencionar a cobertura feita pela Folha de São Paulo para dados econômicos mundiais (que merecem um post exclusivo), que Se os fatos não coincidem com a opinião e a vontade dos editores, pior para os fatos. Entende-se, pois, que o ilustríssimo ex-Primeiro Ministro classifica a Folha de São Paulo como um jornal que distorce os fatos para conseguir, afinal, fazer valer a opinião dos editores.

Exatamente o mesmo procedimento adotado pelo bandido José Dirceu !!!!!

No mesmo dia 19/12/2007, o ilustríssimo ex-Primeiro Ministro cassado respalda-se em matérias da mesma Folha de São Paulo para criticar a postura do governador tucano José Serra em relação a um caso de tortura policial ocorrida em Bauru.

Ora, se a Folha de São Paulo é um jornal que, segundo José Dirceu, distorce fatos para fazer prevalecer a opinião dos editores, por que cargas d´água ele usa a mesmíssima Folha de São Paulo para criticar o tucano ????

Será que não haveria uma fonte mais confiável (e menos “golpista”) para que o digníssimo ex-Primeiro Ministro utilizasse ?

Em tempo: a própria Folha de São Paulo corrigiu as matérias que afirmavam que o governador não fizera comentários sobre o caso de tortura. Isso, obviamente, o ex-Primeiro Ministro não registrou…….

Claro !!!!!!!!

Todo PTista, naturalmente, critica os jornais e revistas quando eles falam mal do PT. Mas quando o “alvo” das críticas é um dos inimigos do PT, aí é plausível recorrer ao mesmo jornal ou revista para criticar também……

O que me remete à (Revista) Veja e o caso Fernando Collor de Mello: lá no blog do PTralha Dirceu, em diversos posts a revista é chamada de golpista. Mas anos atrás, quando a Veja engrossou o coro que ajudou a derrubar Collor, o PT (José Dirceu incluso) cansou de citar as matérias da Revista para embasar acusações e gritarias……

CONVENIÊNCIA E HIPOCRISIA. SÓ.

Em tempo: é divertido ler as bobagens escritas AQUI. Decerto de autoria de um socialista-ameba de terceira categoria, demonstra a imbecilidade de sempre atribuir tudo de ruim “à zelite”….. Mas é engraçado ler a deferência do autor ao Rei Mulla…… Quem lê aquilo pode acabar achando que Rei Mulla é de um brilhantismo intelectual ímpar – o que, convenhamos, é uma boa inspiração para alguma pegadinha de primeiro de abril……

Para compensar, vale a leitura AQUI.

E, para rir da incoerência que marca a cambada PTista, um artigo assinado pelo ex-Primeiro Ministro que consegue usar benéfices do capitalismo para, pretensamente, exaltar um comunista histórico, AQUI. Diversão pura !!!!!

Dedução ou Indução ?

Esta carta foi publicada na Revista da Folha de ontem (30/09/2007), na seção “Barbara responde”. Reproduzo, porque achei impagável:

“Lula afirma que a decisão do Senado de inocentar Renan Calheiros é inquestionável. Já o companheiro Zé Dirceu, segundo Lula, é um injustiçado, apesar de caçado pela Câmara, acusado pelo procurador-geral da República e denunciado pelo STF. Será que Lula pensa que somos todos petistas ou idiotas, muito embora ressalve-se que nem todo idiota é petista?”
Red Nose

A despeito da seção abrigar perguntas por vezes toscas, o tom, no geral, é o humor. Neste caso, em particular, o humor serve perfeitamente à crítica embasada e singela.

Afinal, Rei Lulla já disse que a decisão do Senado, de absolver Renan Calheiros, deveria ser respeitada. Obviamente, usou esse subterfúgio, do pseudo respeito à “instituição” Senado, para esquivar-se de admitir a ajuda do PT à absolvição do Presidente do Senado.
Mas na entrevista ao New York Times, semana passada, e noutras oportunidades, já defendeu o seu Primeiro-Ministro, José Dirceu – mesmo ele tendo sido cassado pelo mesmo Senado, denunciado pelo Procurador Geral da República, e tendo a denúncia sido acatada pelo STF.

Dois pesos e duas medidas. Coisa típica dos hipócritas do PT.

O cinismo do Primeiro-Ministro

O Primeiro-Ministro de Lulla, José Dirceu, mantém um auspicioso e interessante blog (aqui), no qual pretende, segundo ele mesmo, manter um “espaço para a discussão do Brasil”.

Um post me chamou a atenção: intitulado “uma prova da ineficiência tucana”, desfila algumas críticas e apresenta conclusões para lá de sofismáticas. Alguns trechos: de 1995 a 2006, a renda média familiar per capita na região metropolitana de São Paulo caiu 6%, a pobreza cresceu 19,4% e a extrema pobreza aumentou 2,8%. Esses números contrastam fortemente com os do Brasil como um todo no mesmo período, que mostram que a renda cresceu 13,4%, a pobreza caiu 25,8%, e a extrema pobreza sofreu a grande redução de 62%. Lembro que São Paulo é governado desde 1995 pelos tucanos. São 4 governadores que se revezaram e não foram capazes de adotar políticas ativas para enfrentar as mudanças econômicas que eles mesmo produziram no país com a abertura neo liberal. Nem uma política industrial, tecnológica, comercial, exportadora, de turismo, nem mesmo uma política para explorar as vantagens comparativas de São Paulo, já que as ineficiências expulsaram indústrias. Nada. Foram 12 anos perdidos. A própria ausência de uma política metropolitana para a região da Grande São Paulo, que congrega 40 municípios e quase 20 milhões de habitantes, é uma prova cabal da incompetência e da ineficiência dos tucanos, do PSDB.

O Primeiro-Ministro de Lulla esqueceu de comentar, contudo, quais as “causas” da suposta “ineficiência que expulsou indústrias” do Estado.

O PT, a CUT e seus organismos criminosos estão por trás disso, com os Sindicatos e constantes greves políticas (basta lembrar as do Metrô, do ano passado e deste ano: TODAS foram puramente uma picuinha política, amplamente apoiadas pelo PT e pelo PSOL).

Como é conveniente ser cínico e hipócrita, não ?! Coisa típica de PTista.

Realpolitik e a mídia golpista

Li um texto, na semana passada, de autoria de Marcos Augusto Gonçalves.Confesso minha ignorância: nunca ouvira falar dele. Numa rápida busca pelo Google, descubro que é Editor do caderno Ilustrada, da Folha de São Paulo – exatamente o caderno no qual li seu texto (na íntegra, aqui).

O texto é absolutamente impecável. Alguns trechos: O partido e o governo do ex-sindicalista têm vários de seus membros julgados por corrupção na corte suprema da referida república, graças a denúncias de um ex-aliado da direita, que também fora íntimo daquele presidente afastado por corrupção [em referência a Roberto Jefferson, apoiador de Fernando Collor]. Para tornar essa sinopse um pouco mais vulgar, surge na mídia a história de que o político provinciano do início do enredo, que ocupa a presidência do Senado, teve uma filha fora do casamento e enviava dinheiro à ex-amante por meio de um lobista de uma grande empreiteira.
Em meio a todo esse lixo, que alimenta o reality show, ou o realpolitik-show da vida pública brasileira, insinua-se entre alguns políticos e intelectuais “de esquerda” a tese de que tudo, no final das contas, é culpa da “mídia”, que não se conformaria com a eleição do ex-operário. Diga-se que os acusadores (e também o presidente) foram (e alguns ainda são) colunistas dessa mesma mídia -e a municiaram durante anos com denúncias contra políticos dos quais são hoje aliados.
Houve um tempo em que o PT fazia questão de se apresentar como paladino dos bons costumes republicanos e de se diferenciar daquilo que seus militantes chamavam de “política tradicional”.

(…) uma vez no poder, o PT se tornou uma máquina eleitoral conservadora, passando a se comportar como as siglas que antes condenava.

(…) Nossos narcisos lulo-petistas não gostam de ver nas páginas dos jornais escândalos semelhantes àqueles que aconteceram em governos anteriores. A grande competição, na realidade, é com a gestão de Fernando Henrique Cardoso, cuja superação os lulistas têm como ponto de honra. Mas, nessa competição de mediocridades, ambos, petistas e tucanos, mais parecem ser faces de uma mesma moeda -a da hegemonia política paulista no Brasil pós-ditadura militar.
Se FHC engatou o Brasil tardiamente no processo de estabilização das economias periféricas, Lula o vai engatando, também tardiamente, no ciclo de crescimento global. Tudo em ritmo lento. Filme de arte.
Alguém dirá que o governo do príncipe da moeda foi mais “republicano”. Mas ao lembrarmos que FHC criou uma reeleição para si próprio, recorrendo ao jogo pesado, como divulgou a mídia (golpista?), essa suposta vantagem revela-se apenas mais uma quimera.

Volta à tona, novamente, o absurdo de culpar a “mídia golpista” por tudo. Contudo, o PT só culpa a mídia quando ela revela os seus podres – quando a Folha de São Paulo investigou e denunciou a compra de votos de deputados para aprovação da emenda da reeleição de FHC, o PT bateu palmas para o jornal. Quando a Veja denunciou Fernando Collor, estampando a entrevista bombástica de seu irmão Pedro Collor, novamente estava lá o PT (inclusive Lulla, Dirceu, Genoíno, Mercadante, Suplicy e demais asseclas) aplaudindo, elogiando a “mídia”…..

Não bastasse a incomPTência dessa corja do PT, o grau de hipocrisia deles é assustador.

O Gramsci das Alagoas

Tomo a liberdade de destacar artigo de Nelson Motta publicado na Folha de São Paulo desta sexta-feira (21/09), intitulado “O Gramsci das Alagoas” (na íntegra aqui, para assinantes da Folha ou do UOL).Brilhantemente, o articulista coloca no mesmo balaio Renan Calheiros, José Dirceu e a empáfia PTista que ainda insiste no engodo de um “golpe da mídia imperialista”.

Em dado trecho: Nem mesmo um militante partidário, desde que alfabetizado, acredita que empresas comerciais concorrentes como a Folha, o “Estadão”, “O Globo”, o “Zero Hora”, a “Veja”, a TV Globo, o SBT, a CBN, a RBS e os maiores veículos de comunicação do país, que disputam ferozmente leitores, espectadores e anunciantes, juntaram suas forças em uma conspiração para destruir as reputações ilibadas dos patriotas Renan e Zé Dirceu.
Para eles, só os veículos “independentes” -que vivem de publicidade do governo e de estatais- têm isenção para noticiar e comentar o mensalão, os sanguessugas e o caso Renan. Mas o povo é ingrato e despreza tantas qualidades, poucos compram as verdades deles. Talvez a maioria absoluta dos anunciantes e da população não saiba escolher os jornais, blogs, revistas e TVs para anunciar e para se informar. Só iluminados, como Dirceu e Renan, sabem como deve ser uma mídia democrática a serviço do país e dos cidadãos. O duro é convencer as pessoas a acreditar nela. E sobretudo neles.
Se os políticos e os partidos fizessem pelos seus eleitores uma pequena parte dos serviços prestados pela mídia independente -que não precisa deles nem do governo para sobreviver-, seríamos poupados de ouvir o Gramsci das Alagoas nos dar lições de ética e democracia.

Irretocável.

E, por falar em “golpe da mídia”, o que será que anda escrevendo e dizendo a brilhante Marilena Chauí ? Não é recente, mas o imparcial e isento jornalista (sic) Paulo Henrique Amorim também deu sua contribuição para que a filósofa-mor do PT continuasse tornando pública sua condição mental pra lá de duvidosa: aqui, comentado.

E esta brilhante professora-intelectual-pseudo-marxista-socialista reforça o texto de Nelson Motta, numa entrevista concedida em 2005, ao “jornal Brasil de Fato” uma das publicações que servem às mentiras da corja criminosa do MST, Via Campesina, e assemelhados (veja detalhes aqui). Um trecho que ilustra incrivelmente bem a mentalidade tacanha e doentia da “filósofa” é a resposta à seguinte pergunta (feita pelo jornal imparcial, que não pode ser incluso no conceito PTista de “mídia golpista”, pois defende a corja PTista, quesito que serve para separar quem é golpista de quem não é): A senhora não acha que os intelectuais e ativistas de esquerda no Brasil só deveriam, como a senhora, dar declarações exclusivas aos veículos de esquerda (Brasil de Fato, Caros Amigos, entre outros)?

A pluralidade de opiniões (ou seja, a democracia, numa leitura ampla), já fica evidente na pergunta. Porém, NADA supera a resposta galopante de Marilena Chauí (outra galopante): Concordo plenamente. A partir do instante em que você tem plena consciência do jogo econômico e do jogo político que está efetivamente envolvido com os meios de comunicação – e é por isso que eu não posso perdoar as palavras do presidente da República -, e que você não tem efetivamente a constituição de um espaço público, muito menos à esquerda,
porque o que você tem é o interesse privado do mercado (…), você simplesmente aceita entrar num processo de servidão voluntária. E aceita ser um instrumento passivo como um arauto da negação do que você pensa e do que você quer. E mais do que ser instrumentalizado pelo adversário, é ser instrumentalizado na direção daquilo que você nega. É preciso aceitar que há divisão social, que há divisão de classes, e que a gente tem que tomar partido
.

A íntegra da entrevista dessa coitada, doente, patética está aqui.

Essa mulher é, ou não é, uma anta apoplética ??????? Nem anfetaminas resolvem.