Eric Hobsbawm e Luciano Huck

O artigo é do Nelson Ascher, e foi publicado na Folha em 08/10/2007:

Entre Hobsbawm e Huck

A NENHUM ideário se aplica tão bem a analogia com o tempo verbal chamado futuro do pretérito como ao comunismo, que, sempre dependendo do porvir, pagava os desastres presentes com os cheques pré-datados (e frios) da utopia. Daí que não exista situação mais embaraçosa para um comunista do que a longevidade. Este é o caso do historiador comunista (desculpem o oxímoro) Eric Hobsbawm, cuja entrevista a Sylvia Colombo foi publicada recentemente na Folha.

Filiado ao Partido Comunista britânico desde a juventude, o “historiador” já colocara sua pena servil ao serviço deste em 1940, escrevendo com Raymond Williams um infame panfleto pró-imperialista defendendo a invasão da Finlândia pela URSS. Ele justificava sua escolha como a única possível diante da ameaça nazista. Só que, se era tão antinazista, por que continuou a apoiar os soviéticos entre 39-41, quando estes eram os mais importantes aliados da Alemanha? Por que não abandonou o partido para apoiar o país que estava combatendo o Terceiro Reich, isto é, o seu?

Hobsbawm gosta de repetir que foram antes os intelectuais do bloco soviético, não o povo, que se desencantaram com o comunismo. Se o diz, contudo, é porque, como bom intelectual, passou a vida falando de preferência com outros intelectuais. Caso contrário, saberia que, desde seu estabelecimento, não houve no mundo sistema mais desprezado e odiado por suas vítimas, as pessoas comuns. Mesmo o nazismo foi mais popular, pelo menos entre os alemães e enquanto a guerra lhes parecia favorável.

É fácil entender as razões pelas quais nosso ideólogo abandonou os ares de historiador e preferiu dedicar-se à futurologia, prevendo a queda iminente de um tal de império americano. Está certo ele: nada no passado saiu como imaginara (ou desejara) e, assim, aos 90 anos de idade, é mais seguro discorrer sobre o que não irá testemunhar. Seu problema, contudo, é o seguinte: se não conseguiu antever nem aceitar o desmoronamento, em menos de três gerações, de um império territorial, o soviético, e se tampouco é capaz de compreender que o verdadeiro imperialismo de nossos tempos é o islâmico, por que alguém perderia tempo com ele em seu papel de Cassandra?

Seja como for, um mérito seu deve ser reconhecido. Como velho marxista, ele não manifesta simpatia pelo desvario teocrático-político. Já seus discípulos têm menos escrúpulos e, especialmente no Reino Unido, acreditam que em sua aliança com as lideranças e massas islamizadas está a chave para a revolução antiimperialista.

Se o comunismo foi um dia a aspiração prometéica de transformar o mundo sobre os ossos de cadáveres, hoje em dia ele não passa de um reacionarismo desorientado e rancoroso, cioso de cada detrito de sua mitologia kitsch (como Che Guevara) e sempre acreditando que “quanto pior, melhor”. Isso é o que transparece em reações a um artigo que, a respeito do assalto que sofrera nos Jardins, o apresentador de TV Luciano Huck publicou, na semana passada, na seção “Tendências/Debates”.

O tom das respostas negativas era o de que um brasileiro que não seja “excluído” não tem direito nem aos benefícios da cidadania, nem à proteção das leis nem sequer à solidariedade. Está proibido até de reclamar. Segundo aquelas, caso alguém pertença à “elite”, mesmo que pague impostos e não cometa crimes, tem é que morrer, salvo, talvez, se ingressar no PT. Também quem mandou Huck violar o tabu e afirmar o óbvio, que lugar de bandido é na cadeia? Não cai bem dizer que é graças ao aumento da população carcerária que, nos últimos anos, a criminalidade caiu dois terços em São Paulo.

Há, todavia, um paradoxo que torna ainda mais estranho o contexto dessa história. O que distingue os esquerdistas das pessoas normais e racionais é o fato de que aqueles são avessos à iniciativa privada, achando que tudo deve ser confiado ao grande benfeitor, o Estado. Tudo, sim, com uma exceção: a violência. Quando se trata desta, o Estado (se é de direito e democrático) nunca pode usá-la legitimamente, mas, se forem indivíduos que recorrem a ela, então é permitida e até desejável, sobretudo no caso de bandidos e terroristas. A violência boa, para essa gente, que provavelmente aprova Hobsbawm e desaprova Huck, é a do free-lancer, exceto quando o Estado é revolucionário e perpetra uma violência idem. Execução em massa de opositores políticos, tudo bem; prisão para bandidos, não.

Pois é…….

Anúncios

Aborto preventivo, Copa do Mundo e mais

“E se tivessem abortado Lula?”.

Este é o título de uma coluna de Gilberto Dimenstein (disponível aqui) na Folha Online. Só de ler o título, já fiquei “aguçado”: puxa, que situação maravilhosa teríamos ! A despeito de não gostar da maior parte dos posicionamentos do colunista da Folha, a hipótese de Lulla ter sido abortado é interessante: o Brasil teria ganhado muito ! Um trecho do texto: A mãe de Lula era analfabeta, pobre e tinha vários filhos; o pai era omisso e violento. Isso significa que aquela criança corria um risco de se tornar um marginal violento. Aparentemente, a bem-sucedida trajetória do presidente desmontaria a idéia de que existe uma relação entre violência e planejamento familiar, exposta pelo governador Sérgio Cabral que, entre as várias medidas para aumentar a segurança, defendeu o aborto. E se tivessem abortado Lula, sob argumento de que pobre não deveria ter muito filho?

Nem vou comentar o factóide do governador do Rio de Janeiro (pobre Estado ! Tantas belezas naturais, mas tantos imbecis em seus governos…….).

Mas nem só de más notícias vivemos………

Os detratores do liberalismo conseguiram a proeza de responsabilizá-lo por todos os males, como se alguma vez ele tivesse sido real. em nosso país, a idéia de socialismo guarda uma aura quase religiosa. Ela veio a ser identificada a uma sociedade perfeita, em relação à qual todas as demais seriam imperfeitas, em particular o capitalismo. Sob a batuta de tais idéias, o estado ganha em tamanho, gastos e onipotência

Assim começa um texto muito bom, publicado na Revista ÉpocaNegócios de Novembro (disponível na íntegra aqui).

Aproveitando o período da mais absoluta falta de tempo para comentar tantas notícias tentadoras (Brasil pagando mico para receber a Copa do Mundo em 2014, caos aéreo anunciado na televisão pela pessoa que deveria evitá-lo, um artigo imbecil de um cretino – Zeca Baleiro – reacendendo a discussão do Rolex do Luciano Huck na Folha……), pelo menos um novo blog parece que terá muitos assuntos interessantes: http://blogdofred.folha.blog.uol.com.br/

E, como se não bastasse, continuo lendo diversos blogs (e posteriormente indicando-os na barra de navegação à esquerda) que me pareçam interessantes, independentemente do viés político e/ou ideológico – às vezes, até da ausência deles….

MST – mais mentiras e mais crimes….

Notícia da Folha de 18/10/2007: Integrantes do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) interditaram ontem a Estrada de Ferro Carajás, da Companhia Vale do Rio Doce, no interior do Pará. Um trem da companhia foi apedrejado por manifestantes, segundo a mineradora. A invasão à ferrovia ocorreu em Parauapebas (836 km de Belém), no sudeste do Estado. Segundo a Polícia Militar, 200 manifestantes estavam no local. Para o MST, eram 4.000. A Vale, por meio de assessoria, disse que vai pedir à Justiça para que mobilize a polícia para a retirada dos manifestantes. O MST disse que a invasão é um protesto pela reestatização da companhia. Em setembro, o movimento apoiou um plebiscito informal sobre a privatização da mineradora, em 1997. A iniciativa contou com 3,7 milhões de votos -em 2002, 10,1 milhões de pessoas participaram da consulta sobre a entrada do Brasil na Alca, a área de livre comércio das Américas.
A coordenação estadual do MST disse ainda que a exploração mineral provoca danos ambientais e “impactos sociais” aos trabalhadores rurais. Segundo a Vale, a estrada é utilizada por 1.300 passageiros por dia e abastece o sudeste do Pará com combustíveis.
Integrantes do MST vinham ameaçando interditar a estrada de ferro nas últimas semanas. Atendendo a pedido da empresa, a Justiça Federal no Estado expediu liminar que proibiu manifestações na estrada de ferro e estabeleceu uma multa no valor de R$ 100 por pessoa em caso de descumprimento. A coordenação do MST no Pará disse que os manifestantes só vão sair do local se representantes da Vale, do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) e do governo estadual se comprometerem a se reunir com eles para discutir as reivindicações. A Vale afirmou que a ação pode causar a interrupção de exportações e comprometer a imagem das empresas do país no exterior. Segundo a empresa, são transportadas pela ferrovia 250 mil toneladas de minério de ferro por dia. A Polícia Federal informou que ainda estuda como procederá em relação à invasão. Como a estrada é uma concessão do governo federal, cabe à PF interceder na situação. PMs do Pará monitoram a interdição.

O Brasil é um país engraçado mesmo…… Um cidadão reclama publicamente porque foi vítima de um assalto a mão armada, e passa a ser execrado publicamente; neste ínterim, uma organização criminosa, publicamente conhecida, viola claramente as leis (que, não significam muito, mesmo), e ainda se acha no direito de EXIGIR que governo e representantes de uma empresa privada (que gera milhares de empregos, e riquezas importantíssimas para o país) “se comprometam a se reunir com eles para discutir as reivindicações”.

As “reinvindicações” do cidadão assaltado não importam; o fato de ele ser uma pessoa, ao que se sabe, que cumpre as leis, o torna menos importante, tanto que merece ser criticado….. O MST, por outro lado, não pode ser criticado, nem tampouco pode-se criticar os assaltantes que subtraíram seu pertence. É claro que me refiro, novamente, ao caso do “apresentador” Luciano Huck.

Em breve, como sempre, surgirão pseudo-esquerdistas-de-merda para defender as “reivindicações” do MST, com o falso argumento de que ele “representa” trabalhadores oprimidos, vítimas do capitalismo, da injustiça do sistema imperialista americano – tal qual foi dito dos assaltantes que levaram o Rolex do “apresentador” Luciano Huck. Mentira.

Na coluna de ontem, o jornalista Clóvis Rossi, da Folha de São Paulo (íntegra aqui, para assinantes), contribui com esta discussão: Imagino que o rapper Ferréz voltará em breve às paginas desta Folha para repetir, sobre o caso da extorsão ao padre Júlio Lancelotti, o que escreveu sobre o Rolex de Luciano Huck. Ferréz terminava assim: “No final das contas, todos saíram ganhando, o assaltado ficou com o que tinha de mais valioso, que é sua vida, e o correria ficou com o relógio. Não vejo motivo pra reclamação, afinal, num mundo indefensável, até que o rolo foi justo pra ambas as partes”. O extorquido (padre Júlio) ficou com a sua vida, o “correria” ficou com o seu Mitsubishi Pajero, o mundo continua indefensável e, por extensão “o rolo foi justo para ambas as partes”, certo? (…) O único “erro”, digamos assim, dos chantagistas foi não terem escolhido Luciano Huck ou Ana Maria Braga ou Ivete Sangalo ou outro desses personagens que enriquecem obrigando o “povo” a ver seus programas ou seus shows. Pena que o “erro” derruba toda a sociologia. Padre Júlio não é rico nem da elite, mas nem por isso deixou de perder o seu Rolex. Sociologia calhorda à parte, vamos aos fatos como eles são, na frase magistral do belíssimo artigo de Alba Zaluar, publicado segunda-feira: “Defender o roubo como recurso de distribuição de renda revela um enorme desconhecimento das redes e tramas do submundo do crime, onde grassa o capitalismo mais selvagem de que se tem notícia”.

É isso aí: esta “linha de raciocínio” (se é que pode-se chamar assim, com o perdão pelo paradoxo) é burra demais, não se confirma. Não se trata de defender a desigualdade social que existe no Brasil – mas, concomitantemente, não se pode imaginar que o crime será capaz de diminui-la. Nem o crime do qual Luciano Huck foi vítima, nem os crimes que o MST pratica, REGULARMENTE.

Neste sentido, outro texto publicado na Folha, em 15/10, traz um panorama bastante amplo, e consciente: A IGUALDADE tem sido objeto de uma infindável discussão teórica. Há os que afirmam ser ela uma condição inalcançável, visto que seres humanos diferem em suas capacidades, talentos e disposição para o trabalho; há os que ressaltam a necessidade como o critério para a distribuição da riqueza produzida. Os primeiros, filósofos morais do liberalismo político, preocupam-se com as violações à liberdade que a busca incessante da igualdade vem a trazer. Os segundos, adeptos da economia marxista, acreditam que dar a cada um segundo a sua necessidade inclui o princípio de receber de cada um segundo a sua habilidade de contribuir economicamente. Nenhum pensador da igualdade defendeu a idéia de que seria possível obter o necessário por fraude, força, roubo, coerção ou dano a outras pessoas. Esse princípio moral está também em Marx, que exaltava o valor do trabalho -o pago e o não pago- e visualizava uma sociedade futura em que essa distribuição seria feita sem coerção de qualquer espécie. Aqui no Brasil, a discussão tomou rumos indefensáveis. Quem nega a um branco bem-sucedido, mesmo que vindo de meios sociais modestos, o direito de consumir (que inclui portar) os bens disponíveis socialmente, não está recusando para si mesmo, um negro oriundo de favelas e periferias, esse gozo. Rappers são conhecidos no mundo todo por seu sucesso e sua ilimitada sede de consumo. Coleções de tênis, roupas de marca, automóveis do ano, festas extravagantes são alguns itens listados nos seus currículos de consumidores. E, claro, não se imolam pelo sucesso que os destacou. Defender o roubo como recurso de distribuição de renda revela um enorme desconhecimento das redes e tramas do submundo do crime, onde grassa o capitalismo mais selvagem de que se tem notícia. Ou bem a pessoa que roubou vai portar esse objeto, que apenas muda de mãos e continua a simbolizar a desigualdade reinante, ou ela vai vendê-lo a um receptador que pagará muito pouco e fará um hiperlucro comercial, ambos sem produzir riqueza nenhuma. Para onde foi a distribuição de renda? Para alimentar a acumulação do receptador e a ilusão do ladrão que precisa voltar a roubar e, portanto, está sempre a se arriscar em benefício de outrem. Com tanto incentivo a ganhar dinheiro fácil, estimula-se exponencialmente a acumulação de riquezas em poucas mãos. Se as defesas morais contra a fraude e o roubo continuarem a ser destruídas tão hipocritamente, a produção de riquezas será reduzida e o estoque de riquezas do país encolhido a tal ponto que não teremos nem consumo nem muito menos a tão almejada igualdade.

O texto é de autoria de Alba Zaluar. Impecável.

O pior do Brasil é o Brasileiro (2)

Retomando o post que tratou do comportamento (médio) do brasileiro (inicialmente escrito aqui), aproveito para registrar que o Senhor Mauro Borges teve a gentileza de tecer um comentário sobre minhas palavras. No próprio post, coloquei também minha “resposta” ao comentário do cavalheiro, que certamente não tem o que fazer da vida – se tivesse, não perderia tempo criticando escolhas de outras pessoas, famosas ou anônimas, nem tampouco dando “sugestões” (“pitacos” é mais adequado) sobre como eu ou qualquer outra pessoa deveria viver sua vida.

Mas quero retomar a discussão, então reproduzo aqui o comentário do Senhor Mauro-desocupado-hipócrita-Borges, na íntegra: MAURO BORGES É JORNALISTA E PUBLICITÁRIO, AUTOR E COORDENADOR NACIONAL DA CAMPANHA DROGA MATA. É FORMADO PELA MELHOR FACULDADE DO MUNDO: A FACULDADE DO LULA, OU SEJA; A FACULDADE DA VIDA. O PRINCIPAL OBJETIVO DA CAMPANHA DROGA MATA É ORIENTAR OS PAIS E AS CRIANÇAS DE HOJE, PARA SE EVITAR TER QUE PUNIR OS JOVENS E OS ADULTOS DE AMANHÃ. SLOGANS: É MELHOR SER UM CARETA VIVO, DO QUE UM DROGADO MORTO. AS DROGAS SÓ LEVAM A 03 CAMINHOS: CADEIA, MANICÔMIO OU CEMITÉRIO. O MUTIRÃO DROGA MATA, FOI CRIADO EM 1994, DEVIDAMENTE AUTORIZADO PELO CONEN – CONSELHO DE ENTORPECENTES DO ESTADO DE SÃO PAULO. NUNCA ANTES NA HISTÓRIA DESSE PAÍS UMA CAMPANHA EDUCATIVA CONTRA AS DROGAS – COMO O MUTIRÃO DROGA MATA – TEVE A CORAGEM DE PENETRAR ATÉ NO MAIOR PRESÍDIO DA AMÉRICA LATICA, CARANDIRU, EM 15/12/99, LEVANDO A MENSAGEM DO PROJETO PARA MAIS DE 7 MIL PRESOS E 3 MIL FAMILIARES, TENDO SIDO UM TREMENDO SUCESSO. NOS ÚLTIMOS 13 ANOS FOI REALIZADA TAMBÉM EM DEZENAS DE BAIRROS POBRES DE SÃO PAULO, LITORAL E INTERIOR. MAIORES INFORMAÇÕES E ADESÕES: (propaganda gratuita removida)

O irritante “recurso” de caixa alta do texto (que, todo usuário minimamente informado de internet sabe que indica falta de educação, além de atrapalhar sobremaneira a leitura) é original, não fui eu quem colocou assim. Foi o próprio Sr. Mauro Borges.

Que realmente é um desesperado por propaganda gratuita ! O cara fez merchandising na Folha de São Paulo (Caderno do Leitor, exclusivo on-line), num momento completamente inapropriado: se a carta era para comentar a morte do maior ator brasileiro, (o grande) Paulo Autran, era completamente desnecessário citar a porcaria da campanha (ONG, ou qualquer que seja a merda) que ele dirige. Como se não bastasse, vem no meu humilde blog – que tem audiência infinitamente menor do que a Folha de São Paulo – para fazer MERCHANDISING !

Ou seja: além de hipócrita, desocupado e mal-educado, não tem bom senso – e, como se fosse pouco, faz questão de tentar se meter na vida dos outros !

Mas sobre o brilhante texto (sic) que ele postou no comentário, acho interessante perceber que um jornalista e publicitário escreva tão mal, e ainda faça questão de citar Rei Lulla (além da menção à mania pobre de “nunca antes neste país”, típica de Rei Mulla) como se isso fosse bom. Esta auto-associação já fornece sólidos indícios do tipo de “mentalidade” da criatura….. Deve ser “jornalista” daquelas tranqueiras como “Caros Amigos”, “Carta Capital”, “Brasil de Fato” ou outras bizarrices do espectro PTista….(no máximo!).

Mas como se não bastasse ser desocupado, tentar (desesperadamente) fazer seu merchandising gratuitamente, e desfilar falta de educação e bom senso, não se deu ao trabalho de comentar a questão CRUCIAL do meu post inicial – afinal, caso o Sr. Mauro Borges não tenha percebido (não duvido, a julgar que todo PTista é ignorante ou apenas mal intencionado, ou ambos, numa combinação tenebrosa), eu não estava tratando nem de sua campanha ridícula, nem tampouco de sua formação acadêmica…. A questão crucial, sobre a hipocrisia e a mentalidade torpe que decerto ajudaram a colocar o Brasil na atual situação deplorável em que se encontra, era o mais importante.

Obviamente, sobre isso, nenhuma palavra. Em caixa alta ou não……

O que acaba apenas por reforçar minha teoria……

O pior do Brasil é o brasileiro

Tentei me manter afastado da discussão envolvendo o artigo que o “apresentador de TV” Luciano Huck publicou na Folha de São Paulo (aqui, restrito a assinantes), e tudo o que seguiu ao texto – a repercussão ainda pode ser lida, no Painel do Leitor da Folha, mesmo o texto tendo sido publicado há exatos 14 dias (foi em 01/10). A Revista Veja dedicou a entrevista das páginas amarelas ao “apresentador” (desculpem as aspas, mas ainda não acho que isso seja profissão ou coisa que o valha) e tratou desta repercussão (aqui), que também gerou outras colunas, sendo as duas mais comentadas a de um tal de Férrez (disponível aqui), de quem nunca ouvi falar (e, a julgar pelo texto asqueroso, fico feliz por desconhecê-lo), e de um articulista da Folha, Nelson Ascher (aqui).

Fiquei lendo os textos (todos os citados), bem como acompanhando as cartas dos leitores, na Folha e também na Veja. Nesta semana, o assunto ganhou capa da Época (aqui). A mesma Época dedicou, ainda, bastante espaço no site, com um artigo (aqui) e o “blog da semana” (aqui) discutindo o “caso Luciano Huck”.

Bom, eu estava disposto a nem comentar esse “assunto” tamanha sua futilidade/inutilidade. O cara foi roubado (famoso ou não, é uma constante numa cidade como São Paulo), expressou seus sentimentos e opiniões publicamente, e foi massacrado pelo simples fato de não ser um hipócrita que defende os bandidos a qualquer custo, como PT, MST e congêneres adoram fazer (o “Senador ridículo”, Suplicy, foi um dos que mais agitou para que os seqüestradores do publicitário Washington Olivetto ganhassem liberdade para serem extraditados, uns para o Chile, outros para o Canadá; voltaram a seus países, onde eram livres, e não cumpriram a pena por terem seqüestrado uma pessoa “de bem”, honesta e da maior competência como Washington Olivetto…… Marilene Felinto, outra que adora defender bandidos, deve ter escrito (mal) sobre isso naquele lixo da Caros Amigos, soltando rojões!).

Mas o mau-caratismo de grande parcela dos brasileiros vai além. E só por isso resolvi tratar deste ponto.

Uma carta publicada na Folha de São Paulo de hoje, domingo, trata da morte do (grande) Paulo Autran, e revela a ignorância, a hipocrisia e a futilidade do brasileiro no geral. Reproduzo na íntegra o petardo de ignorância: Com a morte do monumental, insubstituível e inimitável ator Paulo Autran, aos 85 anos, vitima do terrível vício do cigarro fumava dois maços por dia, morreu também um pouquinho de todos nós. Dentre suas infinitas qualidades, eu não poderia deixar de lamentar profundamente aquele que sempre considerei o maior erro de sua vida, que foi sua verdadeira aversão em ser pai, sob a alegação de que filhos era sinônimo de problemas e que nunca teve paciência para conviver com crianças. Como pai de quatro lindos filhos e uma netinha simplesmente maravilhosa e encantadora, posso garantir que, infelizmente, Paulo Autran perdeu a grande oportunidade de encenar e ser o ator principal do maior e mais importante papel de sua existência, que teria sido o milagre de gerar uma criança, pela qual, com certeza ele iria se apaixonar perdidamente, transformando-se numa pessoa muito mais feliz do que realmente pensava que era. Curiosamente, talvez por uma molecagem ou castigo de Deus, Paulo Autran morreu exatamente no Dia das Crianças. Que pena! MAURO BORGES, coordenador nacional da campanha Droga Mata (São Paulo, SP)

Este Senhor Mauro Borges revela um preconceito aliado à ignorância que assegura ao Rei Mulla um lugar na história do Brasil. Além de julgar uma escolha do (grande) Paulo Autran (a de não ter filhos), aproveita para fazer demagogia e promover sua xexelenta “campanha Droga Mata”. Ora, ele que vá até Brasília, protestar contra todas aquelas drogas que estão no Congresso e no Planalto !!!!!

Usar este momento (e o espaço no jornal) para se auto-promover e ainda julgar uma escolha que o (grande) Paulo Autran fez demonstra bem o tipinho de mentalidade imbecil e torpe de muitos dos brasileiros, que ao invés de cuidarem de suas próprias vidas e buscar uma melhora, um desenvolvimento, alguma “evolução” própria, preferem criticar as escolhas de outras pessoas, julgarem, condenarem as escolhas alheias. Se ele acha que ter filhos, netos, bisnetos ou o diabo que seja, é bom, PROBLEMA DELE. Na cabecinha oca desse estropício, então, qualquer pessoa que opte por ter um estilo de vida diferente do dele está errada ?! MUITA BURRICE !!!!!

Este senhor é de uma “iguinorânsia” comparável à do Rei Lulla. É um coitado, um imbecil, cegado pela própria insignificância. O (grande) autor Paulo Autran fez sua escolha, e viveu muito bem com ela – e não gastava seu tempo criticando as escolhas de vida de outras pessoas, pois além de cultura e visão, tinha mais o que fazer. O mesmo, obviamente, não pode ser dito deste avô, ignóbil, desocupado, desesperado por atenção. Pessoalmente, concordo plenamente com o (grande) Paulo Autran: acho casamento e filhos um saco. Tenho o direito de pensar assim – mas não é por isso que saio por aí criticando as pessoas que casam, que têm filhos…. Ora, cada um vive a sua vida do jeito que achar melhor !

Esse tipo de coisa me revolta, e está no cerne da discussão iniciada pelo artigo do “apresentador” Luciano Huck (nada contra ele, haja vista que nunca assisti nenhum de seus programas, e não pretendo fazê-lo, pois tenho coisas mais úteis com as quais me ocupar). A falsidade, a hipocrisia, a falta de caráter tornam o brasileiro o PIOR do Brasil.

Enquanto a maioria do povo continuar com esta mentalidade estúpida, Lulla continuará sendo popular, continuará desviando dinheiro para o PT, e o país continuará afundado na merda.

Merecidamente.