DEBOCHE

Esta notícia é tão revoltante, tão nojenta, que vou me limitar a transcrevê-la. Comentá-la seria demais para meu fígado.

Após acordo, Silvio Pereira escapa de processo do mensalão

REGIANE SOARES
da Folha Online

Após acordo com a PGR (Procuradoria-Geral da República), o ex-secretário-geral do PT Silvio Pereira está livre do processo do mensalão. Ele afirmou nesta quinta-feira que o seu caso está encerrado. Silvio seria interrogado hoje pela Justiça Federal, mas foi liberado após a assinatura do acordo.

Pelo acordo, o processo contra Silvio Pereira está suspenso por três anos, período em que ele vai prestar serviços comunitários e comparecer mensalmente perante a um juiz para informar e justificar suas atividades. O local e o que ele vai fazer ainda não foi definido. “Foi feita Justiça. O resultado final [do acordo] é justo porque está previsto na lei. Estou muito contente com isso.”

Danilo Verpa/Folha Imagem
Silvio Pereira faz acordo com Procuradoria e escapa de processo do mensalão
 

O procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza, pediu ao STF (Supremo Tribunal Federal) a suspensão do processo contra o ex-dirigente petista, que responde a ação penal do mensalão por formação de quadrilha –cuja pena é de um a três anos.

Segundo a assessoria da PGR, Souza se baseou no artigo 89 da lei 9.099 de 1995, que permite ao Ministério Público, ao oferecer denúncia, propor a suspensão do processo por dois ou quatro anos, desde que o acusado não esteja sendo processado ou tenha sido condenado por outro crime.

Com isso, o ex-dirigente petista teria de cumprir algumas condições previstas na lei, como proibição de se ausentar da cidade em que reside sem autorização judicial e comparecer mensalmente perante a um juiz. A PGR informou à Folha Online que Silvio Pereira apresentou uma contraproposta à Procuradoria, que foi analisada e remetida ao STF.

O acordo inicial previa a suspensão do processo por quatro anos e também a suspensão de seus direitos políticos. Na contraproposta, ele pediu para reduzir para três anos a ação e tirar o item sobre os direitos políticos, o que teria sido aceito pelo STF e pela PGR, segundo Silvio Pereira.

No entanto, a PGR afirmou que ele não poderá exercer cargo público durante três anos, nem em comissão ou por meio de concurso público, só se for cargo eletivo.

Ele disse acreditar que, ao assinar o acordo, não é uma forma de assumir uma culpa porque sempre fez trabalho voluntário e não está saindo impune. “Por que sairia impune? A lei prevê o acordo, o juiz e os procuradores não acharam isso. E não vai ser eu que vou achar.”

Direitos políticos

Silvio Pereira afirmou que não pretende se candidatar a nenhum cargo político, mas quer manter seus direitos políticos por uma questão simbólica. Atualmente, ele disse que está feliz em trabalhar com a família em um restaurante.

“No momento estou tranqüilo, ajudando a minha família em um restaurante, pilotando fogão, e pretendo hoje ainda ir para lá porque tenho que preparar a comida de amanhã”, destacou.

Interrogatórios

Também réus no processo do mensalão, o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu e o ex-sócio da corretora Bônus-Banval Enivaldo Quadrado são interrogados hoje pela juíza Silvia Maria Rocha, da 2ª Vara Criminal Federal.

Ontem, a juíza interrogou o ex-diretor da corretora Bônus-Banval Breno Fischberg e o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares.

No depoimento, Delúbio negou a existência do mensalão e inocentou o ex-ministro José Dirceu de envolvimento no esquema. Durante quase duas horas, ele respondeu às perguntas feitas pela juíza, mas, por estratégia da defesa, preferiu ficar calado quando questionado pelos procuradores e advogados de outros réus do processo.

A Folha Online apurou que uma das perguntas que Delúbio se recusou a responder foi sobre a participação de reuniões com outros réus no processo.

O ex-tesoureiro do PT negou que tenha pedido empréstimos ao Banco Rural e BMG para pagar o suposto esquema de mensalão. Segundo ele, os empréstimos contraídos tinham o objetivo de pagar a festa da primeira posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, além de viagens de militantes.

FONTE: Folha On-Line (aqui).

Anúncios

Quadrilhas do passado e do presente – uma pena

Quem tem pena de quem ? Rei Lulla tem pena de Fernando Collor porque ele (Collor) integrou uma quadrilha, que desviou dinheiro público para fins nada republicanos ?

Engraçado ouvir isso hoje, após o Supremo Tribunal Federal ter acatado as denúncias do Procurador Geral da República, que denunciou uma quadrilha integrada por diversos dos principais nomes do PT (José Dirceu, José Genoino, Delúbio Soares, Silvio Pereira e outros), cujas atividades consistiam, basicamente, em corromper, tudo em nome da construção de um projeto de poder do PT.

Rei Lulla deveria assistir o filme “Peggy Sue – seu passado o condena”…. 

Afinal, quadrilha por quadrilha, a quadrilha do PT roubou muito mais do que qualquer outra quadrilha…… Para manter um bordão recorrente, “nunca antes na história desse país” uma quadrilha de políticos e gente do governo roubou tanto, de forma tão organizada.

Aliás, percebo que a única coisa que o PT consegue fazer de forma ORGANIZADA é roubar.

Neste sentido, vale a pena tentar entender o que viria a ser o tal “Socialismo Petista”, como neste vídeo aqui:

Será que o tal “Socialismo Petista” é baseado na formação de quadrilhas, prioritariamente compostas por PTistas, para tomar de assalto o Estado ? Neste sentido, eis uma leitura interessantíssima: intervencionismo e petismo.

Destaco alguns trechos, marcantes: E por falar em intervencionismo, mais um pode estar em plena gestação na praça. Trata-se de uma operação em curso no Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), órgão de pesquisas do governo que sempre teve como tradição a pluralidade. Fala bem e fala mal do governo de plantão. Lá dentro, é possível encontrar de tudo: economistas petistas, economistas tucanos, economistas tucano-petistas e outros tipos.
Essa liberdade reinante no Ipea sempre sempre incomodou o Palácio do Planalto, mas por obra do ex-ministro Antonio Palocci e do ministro Paulo Bernardo (Planejamento) o órgão foi sobrevivendo sem interferências em seu trabalho.
O clima começou a mudar quando o Ipea saiu dos braços do Ministério do Planejamento e passou a responder ao novo ministro Mangabeira Unger, que trocou o comando do órgão. O novo presidente, Márcio Pochman, renovou a diretoria e provocou um enorme mal-estar dentro da equipe. Tanto que, no dia em que o Senado derrubou a Secretaria de Planejamento de Longo Prazo de Mangabeira Unger, pesquisadores do Ipea só faltaram soltar fogos de artifício. Só não o fizeram por saber que o Palácio do Planalto encontrará uma saída jurídica e ressuscitará a secretaria.
Naquele dia, pesquisadores do órgão contaram a jornalistas como estão avaliando as mudanças no Ipea promovidas por Mangabeira e Pochman. Dizem que o governo Lula estaria conseguindo fazer algo que sempre desejou desde o início do primeiro mandato: implantar um “pensamento único” no Ipea e enquadrar sua equipe. 

O IPEA, aliás, produziu um estudo MUITO interessante, que ajuda a explicar algumas das razões para o recente caos aéreo. O estudo foi produzido em 2003 (antes, portanto, de se falar em “caos aéreo”, antes dos acidentes da GOL e TAM, antes da “comoção nacional” que passou a cercar o tema). O arquivo pode ser lido, na íntegra, no próprio site do IPEA, aqui.
Um trecho das conclusões deste documento (produzido, cabe ressaltar, por ÓRGÃO FEDERAL SOB A GESTÃO DO REI LULLA, EM 2003) afirma o seguinte: Em suma, a reversão do processo de liberalização carece de evidências de que a concorrência teria inviabilizado a existência de empresas eficientes, em favor de  empresas ineficientes, o que geraria perda de bem-estar e eficiência econômica. Assim, o debate em torno da melhor regulação para o setor, que promova simultaneamente o desenvolvimento da indústria e o bem-estar dos usuários, certamente terá muito a ganhar com a sua publicidade e a inclusão de mais interlocutores, que se debrucem com cuidado sobre a análise dos efeitos para o mercado de proposições de políticas.

Trocando em miúdos, a desculpinha ridícula do Rei Lulla e seus asseclas guardiões da boçalidade PTista de que nunca ouviram falar em crise aérea é mais uma tergiversação, na tentativa de despistar sua incomPTência.

Lamentavelmente, a desculpa é aceita por “intelectuais” como Marilena Chauí e ignóbeis menos conhecidos publicamente….. Má-vontade, ignorância ou má-fé ? Uma somatória de tudo isso, quiçá…….

Dedução ou Indução ?

Esta carta foi publicada na Revista da Folha de ontem (30/09/2007), na seção “Barbara responde”. Reproduzo, porque achei impagável:

“Lula afirma que a decisão do Senado de inocentar Renan Calheiros é inquestionável. Já o companheiro Zé Dirceu, segundo Lula, é um injustiçado, apesar de caçado pela Câmara, acusado pelo procurador-geral da República e denunciado pelo STF. Será que Lula pensa que somos todos petistas ou idiotas, muito embora ressalve-se que nem todo idiota é petista?”
Red Nose

A despeito da seção abrigar perguntas por vezes toscas, o tom, no geral, é o humor. Neste caso, em particular, o humor serve perfeitamente à crítica embasada e singela.

Afinal, Rei Lulla já disse que a decisão do Senado, de absolver Renan Calheiros, deveria ser respeitada. Obviamente, usou esse subterfúgio, do pseudo respeito à “instituição” Senado, para esquivar-se de admitir a ajuda do PT à absolvição do Presidente do Senado.
Mas na entrevista ao New York Times, semana passada, e noutras oportunidades, já defendeu o seu Primeiro-Ministro, José Dirceu – mesmo ele tendo sido cassado pelo mesmo Senado, denunciado pelo Procurador Geral da República, e tendo a denúncia sido acatada pelo STF.

Dois pesos e duas medidas. Coisa típica dos hipócritas do PT.

INAUGURANDO A SALA

Um dia perfeito para inaugurar a SALA DA MÃE JOANA.

Poucos dias atrás, o Senado Federal foi palco de (mais) uma demonstração de que o Brasil é, definitivamente, a “Casa da Mãe Joana”. Por conta de uma liminar do STF, 13 deputados federais foram autorizados a assistir à sessão secreta do Senado que decidiu pela não-cassação do Presidente do Senado (aquele mesmo cidadão que fazia parte da “tropa de choque” do cassado Fernando Collor de Mello).
Uma verdadeira “Casa da Mãe Joana”.

Não bastasse o ridículo que vem sendo desempenhado pelo Congresso Nacional (e me refiro à Câmara, que absolveu basicamente TODOS os mensaleiros, e também ao Senado), agora somos obrigados a ver estas cenas deploráveis.

Enquanto isso, Lulla e outros membros da gangue estão passeando pela Finlândia…… Decerto seguindo à risca a sugestão mais inteligente, perspicaz e sã que a Ministra do Turismo Sexual jamais conseguir proferir em sua triste e deplorável vida: “relaxa e goza!”.

Quero aproveitar este blog para retratar pelo menos uma parte de um hábito que mantenho há alguns anos……
Interessado nos caminhos e dissabores do país, costumo disparar, via e-mail, notícias auspiciosas, patéticas, ridículas, horríveis e decreptas sobre os desmandos da política brasileira para alguns amigos. O alvo preferencial dos e-mails, obviamente, é o PT, por ser, de longe, o mais vil e desprezível entre todos os desprezíveis e vis partidos aos quais a política brasileira está entregue.

A cada declaração do “Presidente Lulla”, a cada pérola da ignorância, de cinismo e de incomPTência que cerca esta figura insólita produzida na pobreza de intelecto e espírito de um período deplorável da história do Brasil, urge uma vontade incontrolável de registrar a absurda situação de aturar um mandatário tão rélis, tão despreparado, tão torpe. Esta vontade incontrolável de disseminar a burrice – mas, ao mesmo tempo, disseminar uma informação para que futuramente (quiçá!) as pessoas abram os olhos e pensem melhor na hora de votar.
É esta vontade, este inconformismo com a existência de Martas Suplicys, Marilenas Chauís e Josés Dirceus, que me leva a disparar os e-mails (devidamente arquivados, desde 2000) para a seleta (e, surpreendentemente, receptiva) lista de destinatários das mensagens.

Aos poucos, as razões desta escolha ficarão claras. Por ora, vamos apenas sentar, confortavelmente, na Sala da Mãe Joana e assistir a mais um espetáculo grotesco, patrocinado pelos vis e desprezíveis “representantes do povo”……